Governo Evo pede para opositores retomarem negociações

Ministro diz 'estranhar' suspensão do diálogo; governadores acusam presidente de não cumprir bases de acordo

Efe,

01 de outubro de 2008 | 20h47

O governo da Bolívia pediu nesta quarta-feira, 1, aos governadores regionais opositores para retornarem ao processo de diálogo aberto para levar paz ao país, e disse "estranhar" e estar "preocupado" com a "ruptura unilateral" das negociações. "Pedimos aos governadores regionais para voltar à mesa de diálogo", disse em conferência o ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, pouco depois que os opositores anunciaram a suspensão temporária das negociações. Veja também:Oposição boliviana suspende diálogo com Evo MoralesEmpresários bolivianos farão campanha contra nova ConstituiçãoUnasul chega à Bolívia para investigar mortes em Pando Os governadores regionais autonomistas justificam a interrupção das negociações com o fato de governo de Evo Morales ter descumprido as bases do processo com uma "caçada" a cidadãos e líderes de suas regiões. O estopim da decisão anunciada nesta quarta pelos governadores regionais foi a detenção de um cidadão do departamento de Tarija, no sul do país, acusado pelo governo de participar de um dos atentados contra gasodutos e refinarias cometidos durante os protestos opositores de setembro. Com o processo de diálogo aberto em Cochabamba, tanto o Executivo quanto a oposição regional buscam pacificar a Bolívia após a onda de confrontos que afetou várias regiões e nas quais pelo menos 18 pessoas morreram. O ministro da Presidência insistiu em que a detenção do cidadão de Tarija "obedece estritamente a uma decisão da Procuradoria Geral". "Não é possível que os governadores regionais queiram adiar ou suspender o diálogo com a intenção de proteger ou encobrir um crime comum", acrescentou. Quintana afirmou que "o governo, em nenhum momento, descumpriu compromissos para sustentar o diálogo", mas ressaltou que "são inegociáveis os processos penais que devem ser realizados" para atribuir responsabilidades nos protestos em setembro.  O ministro antecipou que os processos seguirão "contra todos aqueles que atentaram contra os bens públicos, atacaram os escritórios do Estado, destruíram a propriedade e que, em outros casos, mataram ou assassinaram camponeses inocentes." Desta forma, se referiu ao pior episódio da onda de choques, vivenciada na região de Pando em 11 de setembro, onde o governo decretou o estado de sítio e deteve o então governador regional, Leopoldo Fernández, por violar a medida e por sua responsabilidade no que qualificou de massacre de camponeses. No entanto, a oposição acusa os governistas de terem iniciado os choques. Para Quintana, os opositores "não somente deveriam censurar e condenar os atos de terrorismo cometidos em Tarija, mas também se colocar ao lado da lei". "Não há argumento razoável para aqueles que queiram suspender o diálogo", disse, e anunciou que o governo vai "insistir" para que tenha um final "satisfatório", conclui.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviacrise na Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.