Governo federal reforça segurança para eleições regionais no México

Medida é tomada após assassinato de Rodolfo Torre Cantù, candidato ao governo de Tamaulipas

Efe,

30 de junho de 2010 | 18h46

CIDADO DO MÉXICO- Ainda sob a comoção pela morte de um candidato a governador, a Secretaria de Governo do México anunciou nesta quarta-feira, 30, que trabalha para reforçar a segurança nos 14 estados que realizarão eleições no domingo.

 

Veja também:

linkIrmão de candidato assassinado no México concorrerá ao governo, diz jornal

linkPresidente mexicano vai à TV e apela a país que se una contra o narcotráfico

México mantém eleição mesmo após morte de candidato a governador

Em entrevista coletiva, o subsecretário de Governo, Roberto Gil, declarou que vários corpos de segurança, incluindo as Forças Armadas, estão se esforçando para garantir sobretudo o acesso às urnas. No domingo, 12 estados realizarão eleições para governadores, prefeitos e deputados, e outros dois só para prefeitos e deputados.

 

Nos últimos meses, vários políticos foram vítimas da violência no México. Na segunda-feira foi a vez de Rodolfo Torre Cantù, favorito ao governo de Tamaulipas, assassinado a tiros juntamente com cinco acompanhantes em uma emboscada. Torre era membro do oposicionista Partido Revolucionário Institucional (PRI), o político de mais alto escalão morto no México nos últimos 16 anos e o mais importante a ser assassinado às vésperas da eleição de domingo.

 

Roberto Gil comentou que o governo federal já atendeu a vários políticos que pediram reforços na segurança particular, mas manteve os nomes em segredo. O governo federal está trabalhando com todos os estados. Baixa Califórnia, Quintana Roo, Zacatecas e Veracruz, porém, foram os únicos que já concretizaram o convênio de colaboração.

 

As eleições regionais são consideradas um termômetro da popularidade do presidente Felipe Calderón e uma prévia da corrida presidencial de 2012, na qual o PRI tentará retomar o poder, que está nas mãos do Partido Ação Nacional (PAN), do atual presidente, desde 2000.

 

Ao assumir, Calderón endureceu a guerra contra o narcotráfico e enviou 45 mil soldados para os estados onde a situação era mais crítica. Desde então, cerca de 25 mil pessoas morreram em confrontos entre forças de segurança e traficantes e a violência só aumentou. Para a maioria dos mexicanos, o governo está perdendo a luta contra os cartéis.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.