Governo interino de Honduras adia envio de negociadores

Chanceler designado afirma que espera nova proposta da Costa Rica; Zelaya promete voltar ao país nesta quinta

22 de julho de 2009 | 12h04

O governo de facto em Honduras disse que adiou as negociações planejadas para esta quarta-feira, 22, em busca de uma solução para a crise política no país e que aguarda uma nova proposta do presidente da Costa Rica, o mediador Oscar Arias, segundo afirmou o chanceler interino hondurenho, Carlos Lopez.

 

Veja também:

linkPara analistas, pressão econômica seria saída para Honduras

linkZelaya diz que sua morte será responsabilidade de comandante militar de Honduras

linkHonduras expulsou diplomatas aliados de Chávez, diz Caracas

linkLíder deposto pede ação da ONU e EUA em Honduras

linkBrasil suspende projetos de ajuda a Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

O ministro de Relações Exteriores disse que o governo autoproclamado permanece aberto ao diálogo, mas não deixou claro quando iniciaram as negociações. O presidente deposto, Manuel Zelaya, prometeu voltar ao país a partir desta quinta-feira se nenhum acordo for alcançado nesta quarta.

 

"Estou esperando uma nova proposta de Arias para seguir trabalhando. Tenho instruções do presidente (de facto Roberto) Micheletti para seguir as negociações", afirmou o chanceler. A segunda rodada de negociações naufragou no último domingo, quando as duas partes não chegaram a um acordo sobre o retorno de Zelaya ao poder, o que o governo de facto considera inaceitável. Arias pediu mais 72 horas para mediações e o prazo acaba nesta quarta-feira.

 

López disse que a comissão decidiu não viajar perante a emissão, na segunda-feira, de uma declaração da Corte Suprema de Justiça (CSJ), que reiterou que Zelaya foi afastado por um mandato judicial e "não pode voltar a assumir a Presidência da República". "Isso é uma barreira", disse López, que informou que, na terça-feira, enviou a Arias um "documento de trabalho" que "estava subordinado a que houvesse consentimento por parte dos três poderes do Estado" hondurenho nas decisões.

 

Vilma Morales, ex-presidente da CSJ, reafirmou que o retorno de Zelaya "é o ponto" conflituoso do diálogo e que outros aspectos de uma proposta que Arias apresentou no fim de semana depende de vários organismos do Estado. No entanto, a ex-magistrada afirmou que "a mediação continua" e que a delegação de Micheletti "está disposta" a viajar à Costa Rica para conhecer uma nova colocação que, segundo versões de imprensa, Arias deve apresentar nesta quarta.

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.