Governo interino de Honduras amplia toque de recolher

Após 'retorno simbólico' de Zelaya, medida aumentou em 12 horas e passa a valer até as 18 horas locais

Efe,

25 de julho de 2009 | 08h43

O governo golpista de Honduras, que colocou o ex-presidente, anunciou neste sábado, 25, que o toque de recolher na região da fronteira com a Nicarágua se estenderá por mais 12 horas. Agora, a medida estará vigente até as 18 horas locais (21 horas de Brasília) em "toda a zona fronteiriça com a República de Nicarágua e toda a província de El Paraíso", informou o porta-voz presidencial René Zepeda. A região da fronteira é por onde o presidente deposto, Manuel Zelaya, tentou entrar no país.

 

Veja também:

linkGoverno Micheletti diz que Zelaya promove 'banho de sangue'

linkVolta de Zelaya a Honduras é 'imprudente', diz Hillary Clinton

linkEm ligação, Lula deseja 'boa sorte' a Zelaya e pede que evite violência

linkMissão denuncia violações de direitos humanos em Honduras

especialPara analistas, pressão econômica seria a saída

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

Na sexta-feira, o governo interino hondurenho ordenou um toque de recolher nas fronteiras com a Nicarágua e El Salvador, que passou a valer a partir do meio dia e inicialmente deveria vigorar até às 6 horas da manhã do sábado. Para o resto do país, continua a valer o toque de recolher da meia noite às 4h30 da madrugada. "Isso significa que as pessoas não podem circular, não podem sair das suas casas", explicou e o porta-voz da polícia, Daniel Molina.

 

Também na sexta, O governo interino de Honduras bloqueou as rodovias na fronteira com a Nicarágua com soldados, policiais e caminhões militares para impedir a volta de Zelaya.

 

Zelaya, entretanto, ignorou os avisos do governo de Micheletti de que se voltasse a Honduras poderia "colocar sua vida e a de outros em risco" e retornou ao país, embora tenha recuado minutos depois de cruzar a fronteira.

 

A atitude de Zelaya, embora seja considerada apenas um ato simbólico de sua volta para "restabelecer a democracia e a paz à família hondurenha", gerou reações negativas tanto do governo de Michelleti quanto dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.