Governo lamenta morte de chefes da missão de paz no Haiti

Segunda maior autoridade civil da ONU no país, Luiz Carlos da Costa estava desaparecido desde a última terça

estadao.com.br,

16 de janeiro de 2010 | 21h44

O Ministério das Relações Exteriores divulgou nota na noite deste sábado, 16, para lamentar a morte das duas maiores autoridades civis da ONU no Haiti, o tunisiano Hedi Annabi, chefe da missão de paz, e do brasileiro Luiz Carlos da Costa, segundo na hierarquia, foram encontrados neste sábado, 16, em Porto Príncipe. Eles morreram no terremoto da última terça, que deixou ao menos 40 mil mortos, 250 mil feridos e 1,5 milhão de desabrigados.

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

 

Segunda maior autoridade civil da ONU no país, Luiz Carlos da Costa estava desaparecido desde a última terça. A informação sobre o encontro do corpo foi antecipada pelo enviado especial do Estado Lourival Sant'Anna. Mais tarde, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, confirmou as mortes.

 

O corpo de Costa foi encontrado nos escombros da sede da ONU, no Hotel Christopher. Ele estava com os documentos na roupa. Seu corpo será levado para um hospital mantido pelas Forças Armadas argentinas.

 

Leia abaixo a íntegra do texto:

 

"Falecimento de Altos Funcionários das Nações Unidas no Haiti

 

O governo brasileiro tomou conhecimento, com profunda consternação, do falecimento do Representante Especial Adjunto do Secretário-Geral das Nações Unidas no Haiti, o brasileiro Luiz Carlos da Costa, e do Representante Especial, Hedi Annabi, em decorrência do terremoto que assolou o Haiti no último dia 12 de janeiro.

 

O Secretário-Geral Ban Ki-Moon telefonou para a Representante Permanente do Brasil junto às Nações Unidas, Embaixadora Maria Luiza Viotti, para transmitir a notícia e expressar seu pesar.

 

Luiz Carlos da Costa, que tinha 60 anos, dedicou sua vida à causa da paz, aliando sólida experiência diplomática à sensibilidade necessária para lidar com os desafios típicos das situações de conflito.

 

Entrou para as Nações Unidas em 1969 e fez carreira no Secretariado. Ocupou posições de relevo nas missões de manutenção da paz no Kosovo e na Libéria, além de diferentes cargos no Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas. Desde 2006 exercia as funções de Representantes Especial Adjunto no Haiti.

 

O Ministro Celso Amorim está dirigindo mensagem de condolências à família de Luiz Carlos da Costa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.