Governo ocupa duas centrais açucareiras na Venezuela

Ministro do comércio acusou usinas de praticarem monopólio e armazenarem produto irregularmente

Associated Press,

09 de março de 2010 | 21h07

O governo venezuelano realizou nesta terça-feira, 9, uma "ocupação temporária" por três meses de duas centrais açucareiras do centro e do ocidente do país, alegando que as empresas haviam praticado "monopólio", segundo autoridades.

 

O ministro de Comércio, Richard Canán, disse na televisão estatal do país que o governo ocupará por 90 dias as centrais Santa Elena e Santa Clara, após a detenção de várias toneladas de açúcar armazenadas, o que foi considerado irregular pelas autoridades.

 

As duas centrais pertencem ao empresário guatemalteco Suhel Turman.

 

Canán afirmou que a ocupação permitirá ao governo fiscalizar a produção das duas centrais e "garantir a operação destas usinas para que não falte mais açúcar a nosso povo".

 

Ao referir-se ao caso de Santa Elena, o ministro disse que as autoridades encontraram "mais de 4.000 toneladas de açúcar, 80.000 sacos que deveriam estar nos centros distribuição, em dois galpões e em depósitos desta central".

 

Um funcionário da empresa que falou à AP em condição de anonimato afirmou que as toneladas e sacos de açúcar encontrados eram a produção dos últimos cinco dias e negou que a central tenha praticado monopólio.

 

Canán também declarou que foram encontradas "falhas no pagamento aos trabalhadores", deficiências na segurança industrial e desrespeito às normas ambientais.

 

O governo de Chávez também começou nesta terça inspeções em outras 15 centrais açucareiras e 107 empacotadores de açúcar no país, informou o ministro.

 

As ocupações temporárias das duas usinas ocorrem em meio a uma crescente escassez de açúcar, um dos produtos de maior consumo no país, situação que obrigou a administração chavista a fazer importações do produto para atender a demanda nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuelaocupaçãoaçucareira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.