Governo paraguaio reclama de declaração de Requião

O governo paraguaio rejeitou naquinta-feira as "impertinentes" declarações do governador doParaná, Roberto Requião, dirigidas ao presidente do país eexigiu que o governo brasileiro se manifeste sobre esteassunto. De acordo com declarações publicadas na imprensa paraguaia,Requião recomendou ao presidente do Paraguai, Nicanor DuarteFrutos, que "não diga besteiras", após Duarte Frutos o acusarde financiar a campanha do candidato presidencial oposicionistaFernando Lugo. "Recomendo a Nicanor que fique quieto, que não digabesteiras e entregue tranquilamente a Lugo o governo doParaguai", disse o governador a jornalistas na quarta-feira. Lugo é um popular ex-bispo católico que lidera uma aliançade centro-esquerda para as eleições de 20 de abril e aparececomo favorito nas últimas pesquisas de intenção de voto. A chancelaria paraguaia afirmou em comunicado que asexpressões usadas por Requião "em nada contribuem para as boasrelações existentes entre os povos e os governos do Paraguai edo Brasil". "O ministro das Relações Exteriores transmitiu aoembaixador do Brasil no Paraguai o incômodo gerado pelasdeclarações do referido governador e exigiu um pronunciamentodo governo do Brasil a respeito", afirma a nota. Duarte Frutos, que pertence ao Partido Colorado, decentro-direita, apóia a candidatura da ex-ministra da EducaçãoBlanca Ovelar, e concorrerá a uma vaga no Senado nas próximaseleições. As declarações de Requião também foram criticadas porpolíticos governistas no Paraguai, que a consideraram umaingerência em assuntos internos do país. O deputado governista Mario Morel, por exemplo, disse queos comentários do governador paranaense constituem numa faltade respeito aos paraguaios. "O que diria o Itamaraty se qualquer governador do Paraguaifizesse comentários parecidos contra Lula, por exemplo?",questionou o parlamentar. (Reportagem de Daniela Desantis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.