Granada contra diretório partidário mata dois na Colômbia

Seis pessoas foram feridas na explosão; atentado acontece a menos de uma semana das eleições regionais

Reuters,

23 de outubro de 2007 | 11h37

Uma granada lançada contra o diretório local de um partido colombiano matou duas pessoas e feriu pelo menos seis na segunda-feira, 22. As autoridades atribuíram o ataque a guerrilheiros de esquerda interessados em conturbar as eleições municipais e regionais que acontecem na próxima semana.   Dois homens atiraram o explosivo no escritório de campanha de um candidato a prefeito de Puerto Asis, no departamento de Putumayo, perto da fronteira com o Equador. A irmã do candidato foi uma das vítimas fatais, segundo a polícia.   A guerra civil colombiana, iniciada há quatro décadas, se atenuou sob o governo de Álvaro Uribe, que usa a ajuda militar norte-americana para combater guerrilheiros e traficantes, o que lhe dá grande popularidade.   Houve uma onda de assassinatos, ameaças e ataques na atual campanha eleitoral para a escolha de governadores, prefeitos e vereadores, que acontece no domingo.   O presidente diz que 18 candidatos foram mortos, enquanto a polícia diz que 27 foram assassinados neste ano - ainda abaixo dos 35 da eleição de 2003.   As autoridades atribuem a maioria dos ataques à guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que estaria tentando mostrar força. Criado como um grupo marxista na década de 1960, o grupo atualmente está envolvido com o tráfico de cocaína.   Uribe conseguiu negociar o desarmamento dos paramilitares que antes combatiam a guerrilha, mas milhares de ex-milicianos entraram para quadrilhas de criminosos comuns ligados ao narcotráfico e também ameaçam as autoridades locais para conseguirem controlar contratos públicos, segundo analistas.   O Congresso dos EUA ameaça vetar um acordo de livre comércio com a Colômbia caso Uribe não demonstre outros avanços no combate à violência, especialmente os crimes cometidos por paramilitares de direita contra sindicalistas.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbiaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.