Grupo de opositores de Zelaya protesta contra anistia

Cerca de 100 pessoas chegaram à sede do poder legislativo com cartazes e bandeiras

Efe,

12 de janeiro de 2010 | 02h54

Dezenas de opositores do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, expressaram na segunda-feira, 11, sua rejeição a uma eventual anistia política para os envolvidos no golpe de Estado que será discutido pelo Legislativo nesta semana. O grupo, com cerca de 100 pessoas, chegou à sede do poder legislativo cantando palavras de ordem contra a anistia e com cartazes e bandeiras.

 

"Anistia não", "Nem minha avó, nem minha tia querem anistia", "Castigo aos corruptos" e "Anistia nunca", eram frases lidas em alguns cartazes dos manifestantes, membros da União Cívica Democrática (UCD) que reúne empresários, políticos, religiosos e estudantes, entre outros grupos da sociedade civil.

 

A cerca de dez metros de distância, e separados somente por uma cerca metálica, um pequeno grupo da Frente Nacional de Resistência Popular que condena o golpe de Estado a Zelaya repudiou a presença dos membros da UCD.

 

Detratores e seguidores de Zelaya, que têm em comum a rejeição à anistia, trocaram gritos e provocações, algumas ofensivas, sob vigilância de dezenas de policiais.

 

Os seguidores de Zelaya interrompiam as intervenções dos detratores do presidente deposto cantando palavras de ordem como "Queremos a Mel (Manuel Zelaya)", "Assassinos", "Fora golpistas" e "Em cima, abaixo, golpistas para o inferno", entre outras.

 

Após uma hora de manifestações, os membros da UCD deixam o local, entre gritos dos seguidores de Zelaya.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.