Guerrilha colombiana quer participar de assembleia da Unasul

A maior guerrilha esquerdista da Colômbia anunciou nesta segunda-feira sua disposição de falar na assembleia da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), para expor seus pontos de vista sobre o conflito interno no país e uma saída negociada.

REUTERS

23 de agosto de 2010 | 13h16

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) fizeram o anúncio depois que o governo do presidente Juan Manuel Santos rejeitou a mediação de governos estrangeiros e líderes políticos para buscar uma aproximação de paz com o grupo rebelde.

O presidente mantém fechada a porta ao diálogo com a guerrilha e condiciona sua abertura à libertação dos sequestrados, suspensão das atividades criminosas e disposição para depor as armas, como parte de uma negociação.

"Senhores presidentes: quando acharem oportuno estamos dispostos a expor em uma assembleia da Unasul nossa visão sobre o conflito colombiano", disseram as Farc, em declaração difundida pela Agência de Notícias da Nova Colômbia, órgão de comunicação do grupo rebelde.

O anúncio das Farc poderia ser um esforço para recuperar protagonismo em nível internacional, de acordo com analistas.

O grupo rebelde, considerado uma organização terrorista pelos Estados Unidos e a União Europeia, perdeu espaço nos países do continente e da América Latina, onde seus líderes tinham espaço para difundir sua posição no passado.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIAFARCUNASUL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.