Guerrilha ELN liberta dois alemães sequestrados na Colômbia

A segunda maior guerrilha da Colômbia libertou nesta sexta-feira dois alemães sequestrados em novembro a quem inicialmente acusou de serem agentes de inteligência, afirmou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Reuters

08 de março de 2013 | 18h24

O Exército de Libertação Nacional (ELN) entregou Uwe Breuer e Gunther Otto Breuer a uma comissão humanitária, que os recebeu em boas condições de saúde na região de Catatumbo, um local de selva fronteiriço com a Venezuela, no nordeste colombiano.

"Nos alegra que estas duas pessoas estejam de novo em liberdade e nos satisfaz ter podido prestar nosso bom trabalho para que possam se reunir logo com seus entes queridos", afirmou o chefe da delegação do CICV na Colômbia, Jordi Raich.

Os reféns, que são irmãos, foram recolhidos por um helicóptero que aterrissou em uma região de selva e os levou a um aeroporto próximo, onde foram entregues a autoridades da Embaixada da Alemanha na Colômbia e a representantes do governo colombiano.

O governo da Alemanha afirmou que seus dois cidadãos eram turistas que percorriam a América do Sul, negando as acusações de que cumpriam funções de espionagem na Colômbia.

O mesmo grupo rebelde sequestrou em janeiro seis trabalhadores de uma mineradora, incluindo um canadense e dois peruanos, um fato que fontes de segurança classificaram como uma estratégia dessa guerrilha para pressionar o governo a um diálogo de paz como o que acontece com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Cinco destes reféns, funcionários e consultores da mineradora canadense Braeval Mining, foram libertados pelo ELN em fevereiro, mas o grupo rebelde ainda mantém o canadense sequestrado.

Além do canadense, as autoridades colombianas não têm informações de outros estrangeiros sequestrados pelo ELN.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIAELNLIBERTACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.