Gustav segue com rapidez no Golfo do México para Louisiana

Furacão está na categoria três na escala de Saffir-Simpson, mas pode ganhar força nas águas quentes do golfo

Efe,

31 de agosto de 2008 | 10h13

O furacão Gustav, que se afastou neste domingo, 31, de Cuba em direção ao noroeste, para o norte do Golfo do México, se movimento com rapidez a 26 km/h como um ciclone de categoria três na escala Saffir-Simpson (que vai até cinco) e aumentará para quatro em direção à Louisiana, onde chegará na segunda-feira. Gustav pode ganhar força nas águas quentes do golfo, informou o Instituto de Meteorologia cubano.   Veja também: Confira trajeto do furacão Gustav Gustav interrompe produção de petróleo no Golfo do México Furacão faz McCain suspender maioria de atos de convenção Bush e Cheney não irão à convenção republicana na segunda   O Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês) dos Estados Unidos, com sede em Miami, afirmou neste domingo em seu boletim das 9h de Brasília que Gustav - qualificado de tempestade do século por autoridades dos EUA - é um furacão "extremamente perigoso" e que, ao longo do dia, voltará a ganhar força e passará à categoria quatro.   O furacão atravessou no sábado o extremo oeste de Cuba do sul ao norte com ventos máximos sustentados de 240 km/h e seqüências de até 340 km/h, deixando alguns feridos e grande destruição, ainda não quantificados, mas as autoridades não informaram até agora sobre nenhuma morte.   Depois de deixar Cuba, Gustav foi progressivamente reduzindo a velocidade de seus ventos, de um máximo de 240 km/h até 195 km/h. Os habitantes de Nova Orleans e dos municípios limítrofes devem completar hoje, antes do meio-dia, a ordem de evacuação obrigatória que atinge diretamente mais de meio milhão de pessoas.   O prefeito de Nova Orleans, Ray Nagin, que já enfrentou no mesmo cargo o desastre do furacão Katrina há três anos, qualificou Gustav como "a tempestade do século", e disse que as pessoas devem estar conscientes do enorme perigo.   A vigilância do impacto de Gustav afeta uma grande área do litoral, do leste de High Island, no Texas, até a fronteira entre Alabama e Flórida, incluindo a cidade de Nova Orleans e Lake Pontchartrain, na Louisiana.   Os meteorologistas consideram que Gustav ganhará força ao longo do dia de hoje e, já como um furacão de categoria quatro ou cinco, chegará à costa da Louisiana com um enorme poder de destruição.   Ao longo do dia de hoje, atingirá também as plataformas petrolíferas do Golfo do México, onde são produzidos 25% do petróleo e gás natural dos Estados Unidos.   Gustav deixou pelo menos 86 mortos no Haiti, na República Dominicana e na Jamaica em sua passagem por esses países, desde que se formou na segunda-feira passada, no leste do Caribe.   Às 9h de Brasília, o olho do furacão estava perto da latitude 24,7 graus norte e da longitude 85,5 graus oeste, sobre o sudeste do Golfo do México, e a 605 quilômetros da desembocadura do rio Mississipi.   O primeiro aviso de ciclone deste domingo adverte que, em Cuba, "continuarão as ressacas em toda a costa sul e as inundações litorâneas nas zonas baixas" desse mesmo litoral, de Cienfuegos (centro) até Havana (oeste). "Começarão inundações litorâneas em zonas baixas do litoral norte de Pinar del Río", a província mais a oeste e também a mais atingida no sábado pelo impacto direto de Gustav, junto com Isla de la Juventud.   Gustav é, segundo o NHC, um furacão de grande envergadura que se estende 85 quilômetros desde seu centro, e os ventos com força de tempestade tropical chegam a 325 quilômetros a partir do centro. Além disso, a tempestade tropical Hanna segue em direção noroeste a 19 km/h rumo às Bahamas, mas com tendência a seguir para o norte, por isso a previsão é de que não atingirá o arquipélago.   Matéria ampliada às 11h23

Tudo o que sabemos sobre:
GustavfuracãoCubaGolfo do México

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.