Efe
Efe

Gutiérrez denuncia irregularidades em eleições no Equador

Correa disse que dará continuidade à construção da 'pátria grande', que deve ser a América Latina

Efe,

26 de abril de 2009 | 13h07

O candidato à Presidência do Equador Lúcio Gutiérrez denunciou neste domingo, 26, supostas irregularidades na propaganda oficial a favor do também candidato e atual chefe de Estado, Rafael Correa, e fez um apelo à população para que vigie a votação.

 

Veja também:

linkCorrea quer consolidar 'revolução' nas eleições de domingo

linkConheça o cenário eleitoral equatoriano e os desafios de Correa

 

Segundo Gutiérrez, servidores públicos teriam tentado comprar votos entregado lâmpadas que economizam energia e sacos de fertilizantes a camponeses.

 

"Até onde está chegando esta forma desonesta deste Governo atuar?", perguntou o candidato ao fazer a denúncia à imprensa, já que, segundo disso, desconfia das autoridades nacionais e das missões de observação internacionais.

 

"O que conseguimos denunciando aos organismos internacionais?. Nada!. O que conseguimos denunciando ao Conselho Nacional Eleitoral?. Nada! Porque eles não fazem nada, porque são parte de um todo, são parte do Governo", afirmou Gutiérrez.

 

"Esperemos que não distorçam a vontade do povo equatoriano, esperemos que Deus permita que as eleições sejam transparentes", acrescentou o candidato momentos antes de depositar seu voto numa das urnas de um colégio eleitoral de Quito.

 

Gutiérrez disse ainda que "pode haver algum problema no Equador se houver uma manipulação maciça da vontade do povo equatoriano".

 

Além disso, o candidato atacou o Governo de Correa, acusado de "criar cada vez mais desconfiança, mais desemprego, mais pobreza, mais criminalidade", e pediu aos equatorianos o lhe apoiem, já que quando governou entre janeiro de 2003 e abril de 2005 a situação da população, disse, era bem melhor.

 

Correa

 

O presidente do Equador, Rafael Correa, candidato à reeleição nos pleitos gerais afirmou ao votar que se o povo o apoiar nas urnas dará continuidade à construção da "pátria grande" que, na sua opinião, deve ser a América Latina.

 

"Nós, se privilegiados com o voto popular, continuaremos construindo a pátria grande com a qual (Simón) Bolívar, José Martí e todos os nossos grandes homens sonharam", disse Correa num colégio eleitoral de Quito.

 

Com base em relatos feitos anteriormente, Correa disse que a votação começou normalmente em todo o país, e que hoje o Equador vive uma "verdadeira festa democrática".

 

"Acho que todos os equatorianos já são vitoriosos porque temos uma democracia viva e temos a capacidade de decidir nosso futuro. Isso já é um motivo de alegria", acrescentou o presidente e candidato.

 

O chefe de Estado pediu aos eleitores que votem "com fé, convicção, alegria e esperança".

 

"Vamos deixar a amargura para trás. Somos um povo grande, podemos seguir adiante. Em nossas mãos, está o futuro. Portanto, vamos exercer o direito ao voto", declarou Correa.

 

O governante, que irá para Guayaquil (sudoeste) ficar ao lado da mãe e da irmã, preferiu não falar da quantidade de votos que deverá receber.

 

"Nunca dou nada como certo. Trabalho como no primeiro dia e supondo que não tenho um só voto. Tudo está nas mãos de Deus e do povo equatoriano", declarou o governante.

 

Correa, que assumiu a Presidência em janeiro de 2007 e, segundo as pesquisas, é o favorito nestas eleições, disse que seu primeiro mandato está sendo uma "experiência complicada e dura, mas cheia de alegria".

Tudo o que sabemos sobre:
CorreaEquadoreleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.