Sebastien Pirlet/Reuters
Sebastien Pirlet/Reuters

Haiti decidirá sobre candidatura de Wyclef Jean à presidência na sexta

Para ser elegível, candidatos devem ter vivido no país nos cinco anos anteriores às eleições

estadão.com.br

18 de agosto de 2010 | 11h12

PORTO PRÍNCIPE - A decisão sobre a validade da candidatura dos postulantes à presidência do Haiti será tomada somente na sexta-feira, informou a comissão eleitoral do país caribenho, que deveria ter anunciado a medida na terça. As informações são do canal CNN.

 

O anúncio mina as esperanças do músico Wyclef Jean de se tornar presidente do Haiti, diz seu advogado, Berto Dorce. A elegibilidade do rapper é questionada, já que ele não viveu no Haiti nos últimos cinco anos anteriores às eleições, o que é necessário para se candidatar, conforme a Constituição do país.

 

Dorce, porém, diz que a candidatura de Jean está de acordo com as leis. "Sua candidatura foi contestada e fomos À justiça para provar que ele pode concorrer à presidência legalmente. Ele tem uma posição bem forte, deve estar entre os postulantes", disse o advogado.

 

O argumento usado por Dorce é de que seu cliente pagou todos os impostos previstos pelo país, o que o torna elegível. "Wyclef é um acionista da Telemax (televisão local) e pagou todos os impostos nos últimos cinco anos. Isso é suficiente para que ele seja certificado como habitante do Haiti", disse.

 

Jean anunciou sua candidatura no dia 5 de agosto, durante o programa Larry King Live, da televisão americana. Desde então, o cantor tem recebido críticas e questionamentos sobre sua liderança em um país completamente devastado pelo terremoto de janeiro.

 

O músico ainda disse que recebeu diversas ameaças de morte. "Estou sendo ameaçado de morte, com mensagens dizendo que se sei o que é melhor para mim, é melhor deixar o país", disse Jean em um email.

Tudo o que sabemos sobre:
HaitiWyclef JeanJeaneleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.