Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Haitianos imploram por ajuda três dias após terremoto

Apesar de auxílio mundial chegar em grande volume, obstáculos logísticos impedem que ele chegue às vítimas

Reuters,

16 de janeiro de 2010 | 00h03

Milhares de pessoas que ficaram feridas ou desabrigadas por causa do terremoto de terça-feira no Haiti imploravam por comida, água e assistência médica nesta sexta-feira, 15, enquanto o mundo se apressa em enviar ajuda antes que o desespero se transforme em revolta.

 

O número de mortos pelo terremoto pode chegar a 200.000, disse à Reuters o ministro do Interior, Paul Antoine Bien-Aime. "Nós já recolhemos cerca de 50.000 corpos e achamos que haverá entre 100.000 e 200.000 mortos no total, embora nunca saibamos o número exato", disse.

 

Mais cedo, o secretário de Estado para Segurança Pública, Aramick Louis, disse que 40.000 corpos foram enterrados e que outras 100.000 pessoas poderiam ter morrido pelo terremoto. Ele acrescentou que grupos armados estavam tomando as ruas e que o governo temia um aumento da violência.

 

Os moradores da devastada Porto Príncipe passaram a terceira noite ao relento, temendo os tremores secundários que ainda são sentidos nos bairros montanhosos. Calçadas e ruas permanecem cobertas por entulho e cadáveres em decomposição.

 

Apesar de a ajuda mundial chegar em grande volume ao país mais pobre das Américas, ela não atinge os necessitados devido aos obstáculos logísticos.

 

"Perdemos tudo. Estamos esperando a morte. Não temos nada para comer, nenhum lugar onde viver. Não tivemos ajuda nenhuma. Ninguém veio nos ver", disse Andres Rosario, instalado em um acampamento improvisado num aterro sanitário de Porto Príncipe.

 

"Ninguém está nos ajudando. Por favor, tragam água ou as pessoas vão morrer logo", ecoou Renelde Lamarque, que abriu o quintal da sua casa para cerca de 500 vítimas no devastado bairro do Fort National.

 

Sobreviventes esfarrapados estendem os braços para jornalistas estrangeiros nas ruas, implorando por água e comida.

 

Em meio a temores de que a demora no envio da ajuda provoque violência, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, disse que, exceto por alguns casos de pessoas vasculhando escombros em busca de comida e pequenos saques, a situação no Haiti continua "relativamente boa" em termos de segurança.

 

"A chave é colocar a comida e a água lá o mais rápido possível para que as pessoas não recorram em seu desespero à violência ou levem a uma deterioração da situação de segurança", disse Gates a jornalistas em Washington.

 

Barricadas com cadáveres

 

A polícia praticamente sumiu das ruas, mas alguns soldados brasileiros da Organização das Nações Unidas (ONU) fazem patrulhas. Em um supermercado destruído, uma multidão se aglomerava sobre os escombros para tentar encontrar algum alimento. Ao lado da favela de Cité Soleil, uma multidão se formou em volta de um cano estourado, onde é possível beber água e encher baldes.

 

Alguns sobreviventes, irritados com a demora na ajuda, montaram barricadas com cadáveres na quinta-feira em uma parte da cidade que, segundo o ministro da Saúde, Alex Larsen, precisará ter três-quatros reconstruídos.

 

Equipes humanitárias dizem que alguma ajuda começa a chegar, de forma lenta e aleatória, e "não para muita gente", segundo Margaret Aguirre, diretora da entidade International Medical Corps.

 

Os EUA disseram que a chegada ao Haiti na sexta-feira do seu porta-aviões USS Carl Vinson, com 19 helicópteros, abrirá um segundo canal significativo para a entrega de mantimentos.

 

"Até agora temos entregado a assistência por meio de uma mangueira de jardim, mas agora vamos ampliar isso", disse P.J. Crowley, porta-voz do Departamento de Estado, referindo-se metaforicamente às limitações do aeroporto local. O porto marítimo está inutilizável.

 

No aeroporto, agora sob controle de militares dos

VEJA TAMBÉM:
\"especial\" Tragédia e destruição no Haiti
\"especial\" Os piores terremotos na América Latina
\"especial\" Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão em tempo real
blog População do Haiti se comunica com mundo via Web
\"som\" Representante da OEA fala do tremor
\"mais A tragédia em imagens
\"lista\" Leia tudo que já foi publicado
EUA, aviões grandes e pequenos pousam a cada 20 minutos. Nas ruas, porém, a maioria dos haitianos diz que não recebeu ajuda alguma.

 

"Não como deste anteontem", disse Bertilie Francis, de 43 anos, que estava com seus três filhos. "Estamos aqui pela graça de Deus, de ninguém mais".

 

Sanitaristas dizem que, embora os cadáveres sejam abundantes e cheirem mal, há poucos riscos à saúde pública, já que as mortes ocorreram por traumatismos, e não por doenças contagiosas, como cólera.

 

As rádios locais estão aconselhando a população a colocar seus mortos nas ruas para que eles sejam recolhidos por caminhões e levados para uma vala comum.

 

A Minustah, missão de paz da ONU no Haiti, que perdeu pelo menos 36 soldados (sendo 14 brasileiros), teve sua sede demolida, mas tenta oferecer alguma coordenação básica a partir de um escritório próximo ao aeroporto.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoHaitiajudavítimas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.