Helicópteros brasileiros devem resgatar dois reféns das Farc nesta semana

Pilotos aguardam coordenadas do local para iniciar a missão na selva colombiana

Efe,

18 de março de 2010 | 03h37

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) disse nesta quinta-feira, 18, que as coordenadas do lugar onde serão libertados dois reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) só serão entregues aos pilotos dos helicópteros do Brasil que farão o resgate.

 

"Um envelope selado, em terra, estará à disposição do CICV com as coordenadas" para a entrega dos soldados Pablo Emilio Moncayo e Josué Daniel Calvo, assim como a entrega dos restos mortais do policial Julián Guevara, segundo comunicado.

 

A informação, que vale inclusive em caso de "uma eventual emergência, será entregue exclusivamente aos pilotos do helicóptero brasileiro, que vão lidar com a situação", segundo o CICV, que garante que "não compartilhará a informação com nenhuma outra pessoa ou instituição".

 

O CICV aguarda, além disso, o "sinal verde" para que os helicópteros deixem o Brasil até o aeroporto indicado na Colômbia. O alto comissário colombiano para a paz, Frank Pearl, porém, assegurou que os helicópteros já estão em seu país.

 

Segundo Pearl, "neste momento os helicópteros estão em um ponto próximo à fronteira com o Brasil", à espera de informações sobre o lugar exato da libertação. Os dados devem ser enviados pelas Farc através da senadora Piedad Córdoba, mediadora das negociações, e o CICV.

 

"Assim que tivermos a certeza, os helicópteros levarão entre 24 e 36 horas para chegarem a um dos aeroportos, e a partir daí começará a operação", acrescentou Pearl. O comissário acredita que os processos de resgate terminarão "antes do fim de semana", e na próxima segunda-feira as entregas serão concluídas.

 

As Farc anunciaram em abril do ano passado que libertariam Moncayo, o refém mais antigo em seu poder (desde dezembro de 1997), e Calvo, sequestrado poucos dias antes do anúncio, além da entrega dos restos de Guevara, morto em cativeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaCruz Vermelha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.