Helicópteros com reféns das Farc chegam à Venezuela

'Não abaixe a guarda, presidente', diz Consuelo González em conversa com Chávez no momento da libertação

Efe,

10 de janeiro de 2008 | 17h58

Os helicópteros em que viajam as reféns libertadas há poucas horas pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) aterrissaram na tarde desta quinta-feira, 10, na base militar do aeroporto venezuelano de Santo Domingo, no estado de Táchira, fronteiriço com a Colômbia.  Veja também:Sarkozy celebra resgate e promete esforços para libertar IngridFarc libertam refénsMãe de Clara Rojas comemora libertaçãoEUA aplaudem libertação Espanha confirma que menino é EmmanuelSaiba quem são as refénsEntenda o que são as FarcCronologia: do seqüestro à libertação  A ex-congressista Consuelo González e a assessora de campanha da ex-candidata à Presidência Ingrid Betancourt, Clara Rojas, deixaram os aparelhos para embarcar em um avião que seguirá para Caracas, onde serão recebidas por seus parentes e pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez. Com a chegada dos reféns a Santo Domingos, imagens do momento da libertação foram divulgadas pela rede estatal venezuelana TeleSur.  Em conversa com Chávez registrada pela emissora, Consuelo pede que o governante permaneça nas negociações pela libertação dos seqüestrados: "Os que ficaram me pediram que eu passasse essa mensagem: não abaixe a guarda, presidente." Chávez, por sua vez, também mandou seu recado: "Disse às duas: bem-vindas à vida", contou Chávez, citando a conversa telefônica que teve com as ex-reféns.  Segundo ele, as colombianas estavam emotivas, mas em boas condições de saúde.  Os dois helicópteros da Venezuela com símbolos da Cruz Vermelha apanharam Clara, de 44 anos, e Consuelo, de 57, na selva colombiana, perto da cidade de San José del Guaviare.  Esta é a primeira libertação unilateral de reféns importantes da guerrilha na história recente da Colômbia, o que poderá ajudar a destravar as paralisadas negociações entre o grupo e o governo do país.  A libertação também deve ajudar a melhorar a imagem de Chávez e do presidente colombiano, Alvaro Uribe, tanto doméstica como internacionalmente.  Rojas teve um filho em cativeiro, Emmanuel, que posteriomente foi entregue a um camponês e depois aos cuidados do governo colombiano, devido à sua saúde debilitada.  Nova missão A missão envolvendo a libertação das reféns foi autorizada na quarta-feira, após a guerrilha ter repassado ao presidente da Venezuela as coordenadas do local onde entregaria as duas. Uma missão com os mesmos objetivos, levada à cabo no final de dezembro, já havia fracassado.  A missão anterior foi suspensa porque as Farc demoraram para informar as coordenadas do local do encontro e porque não tinham em seu poder o menino Emmanuel - o qual a guerrilha havia prometido libertar.  As Farc, que viram sua credibilidade abalada por não terem conseguido cumprir a promessa feita junto a Chávez, acabaram admitindo que o menino de 3 anos já estava sob a custódia do serviço social da Colômbia desde 2005.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.