Helicópteros para reféns das Farc voltam para a Venezuela

Aeronaves deixam Villavicencio; Cruz Vermelha não descarta retorno de equipamento para nova operação

Efe,

03 de janeiro de 2008 | 13h39

Quatro helicópteros oferecidos pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, para a libertação de três pessoas seqüestradas pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) retornaram nesta quinta-feira, 3,para a Venezuela da cidade colombiana de Villavicencio, segundo fontes policiais. Veja também:Homem que teria entregue Emmanuel foi ameaçado pelas Farc Cronologia: do seqüestro à perspectiva de liberdadeEntenda o que são as Farc O coronel Omar Acevedo, chefe da Polícia do departamento de Meta, informou que as quatro aeronaves decolaram nesta manhã do aeroporto Vanguardia de Villavicencio. Os aparelhos estavam desde a semana passada no terminal à espera de que as Farc entregassem a ex-candidata à Vice-Presidência Clara Rojas, seu filho Emmanuel - nascido em cativeiro - e a ex-congressista Consuelo González. Os helicópteros MI-17 de fabricação russa e Bell-212 (americanos), com emblemas do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e seriam utilizados para levar os reféns de algum lugar do sudeste colombiano até Villavicencio, de onde seriam levados a território venezuelano para se reunir com seus familiares. As Farc adiaram a entrega dos reféns alegando "intensas operações" militares na região.  O coronel Acevedo disse não saber se os helicópteros retornarão em caso de uma possível retomada da operação humanitária. Apesar do fracasso da operação de resgate, funcionários do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR) dizem ainda crer na possibilidade de libertação dos reféns. O alto comissário de paz da Colômbia, Luis Carlos Restrepo, disse na quarta-feira que os cativos podem ser libertados em território colombiano, depois de Uribe ter aberto um "corredor humanitário desmilitarizado" na área próxima de Villavicencio, no norte do país, para onde os reféns seriam levados por militares venezuelanos. (Com Ruth Costas, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.