Helicópteros saem da Colômbia após fracasso de resgate

Os quatro helicópteros enviados pelaVenezuela para recolher três reféns que as Farc prometeramentregar ao presidente Hugo Chávez partiram na quinta-feirarumo a seu país de origem, em mais um sinal de que a missãopode se estender por prazo indeterminado, afirmou o governocolombiano. Os dois MI-17 e os dois Bell estavam no aeroporto da cidadeVillavicencio, entrada das planícies e da região de selva dopaís e onde se esperava que as Forças Armadas Revolucionáriasda Colômbia (Farc) entregariam as políticas Consuelo González eClara Rojas além do filho pequeno desta última, Emmanuel,nascido no cativeiro. O alto comissário da paz para a Colômbia, Luis CarlosRestrepo, afirmou que a partida das aeronaves havia sidoacertada na quarta-feira com o ex-ministro do Interior daVenezuela Ramón Rodríguez Chacín, encarregado por Chávez decoordenar a operação destinada a receber os reféns no meio deuma região de mata. Mas a guerrilha informou que combates e operações militaresimpediam a entrega dos reféns, oferecida como ato de boavontade em relação Chávez depois de o presidente colombiano,Alvaro Uribe, ter afastado a contribuição do líder venezuelanonos esforços para libertar 47 reféns. Entre esses 47 estão a ex-candidata à Presidênciacolombiana Ingrid Betancourt e três norte-americanos. O governo da Colômbia negou ter travado combates ourealizado operações militares na área e acusou as Farc dementirem e de terem enganado o presidente venezuelano e acomunidade internacional. Uribe aceitou uma proposta da Venezuela de criar umcorredor de segurança destinado a facilitar a libertação dosreféns e até admitiu a possibilidade de mandar as ForçasArmadas colombianas suspenderem qualquer ação militar na áreaonde os reféns seriam libertados. No entanto, uma hipótese levantada pelo mandatáriocolombiano de que as Farc não entregariam os reféns porque nãoestavam em poder do menino Emmanuel paralisou por prazoindeterminado a delicada missão comandada por Chávez. Essaseria a primeira libertação unilateral de reféns importantes aser realizada pela guerrilha. De toda forma, as Farc anunciaram que cumprirão suapromessa de entregar a Chávez os três reféns e acusaram ogoverno Uribe de tentar desviar a atenção da comunidadeinternacional. O MISTÉRIO ENVOLVENDO EMMANUEL "Apesar de o governo colombiano ter pretendido desviar aatenção sobre a libertação de Clara, de seu filho Emmanuel e daex-congressista com a 'hipótese' levantada, tanto Chávez quantoa Cruz Vermelha continuam aguardando as coordenadas", disse aguerrilha em uma declaração divulgada pela Agência Bolivarianade Imprensa. "As Farc-EP, nesse meio-tempo, buscam evitar os combatesreais a fim de garantir a libertação, compromisso esse assumidopor elas. Há uma longa lista de fatos que não permite duvidarda honradez das Farc como há uma longa lista de razões quereafirma a interminável falsidade do governo colombiano,"acrescentou o grupo no site www.abpnoticias.com. Atualmente, as autoridades colombianas tentam confirmar pormeio de exames de DNA se um menino de mais de 3 anos de idade,hoje sob a custódia de um instituto de proteção à criança e quefoi hospitalizado em um delicado estado de saúde no povoado deEl Retorno, no Departamento de Guaviare, é o filho de Rojas. (Por Luis Jaime Acosta; Tradução Redação São Paulo, 551156447764))

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.