Helicópteros venezuelanos chegam à Colômbia

Aparelhos com emblemas da Cruz Vermelha serão usados no resgate de três reféns das Farc

28 de dezembro de 2007 | 21h13

Dois helicópteros vindos da Venezuela aterrissaram nesta sexta-feira, 28, em um aeroporto da cidade colombiana de Villavicencio, no início de uma operação para resgatar três reféns seqüestrados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).   Veja também: Venezuela prepara operação de resgate Exército brasileiro entra em regime de alerta Libertação começa nesta sexta-feira Garcia: libertação pode pacificar a Colômbia Chávez 'elogia' portunhol de Lula Cronologia: do seqüestro à liberdade Entrega de reféns deve ocorrer em 72 horas   Os helicópteros com emblemas do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) chegaram às 16h45 (horário local, 19h45 horário de Brasília) e permanecerão no aeroporto Vanguardia até que as Farc revelem as coordenadas do local em que os reféns serão entregues - provavelmente uma pista clandestina na floresta. O objetivo é impedir que o Exército colombiano descubra o esconderijo dos guerrilheiros na selva colombiana.   Se bem sucedida, será a primeira libertação unilateral das Farc, que buscam um acordo com o governo do presidente Alvaro Uribe para trocar 47 reféns seqüestrados por cerca de 500 guerrilheiros presos.   As Farc se comprometeram a libertar a ex-congressista Consuelo González, a advogada Clara Rojas (assessora de campanha da ex-candidata à Presidência Ingrid Betancourt, também mantida cativa pelas Farc), e seu filho pequeno Emmanuel, nascido em cativeiro.   Mais cedo, Chávez havia dito que os seqüestrados poderiam ser entregues já nesta sexta-feira. No entanto, em entrevista coletiva, a porta-voz do CICV afirmou que a operação não poderia continuar durante a noite por motivos de segurança.   Embora inimigo político de Chávez, o governo da Colômbia - de direita - concordou em permitir a entrada dos aparelhos venezuelanos em território colombiano para que os reféns sejam libertados. Depois de receber o sinal verde presidente colombiano Álvaro Uribe para intermediar uma troca humanitária de reféns e guerrilheiros presos, Chávez foi retirado das negociações pelo próprio Uribe, que alegou má conduta do venezuelano nas negociações. O episódio comprometeu as relações entre os dois países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.