Carlos Duran/Efe
Carlos Duran/Efe

Hillary chega à Colômbia, onde se reunirá com Uribe e candidatos

País é um dos principais aliados dos EUA na região; visita revisará agenda bilateral

Efe,

08 de junho de 2010 | 23h21

BOGOTÁ- A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, chegou na noite desta terça-feira, 8, à Colômbia, em um visita oficial que concluirá na quarta após várias reuniões, entre elas uma com o presidente Álvaro Uribe.

 

Veja também:

linkHillary pede carga de impostos mais alta a ricos na América Latina

linkOEA cria comissão para resolver impasse sobre Honduras

 

O avião no qual viajava a alta funcionária do governo Obama aterrissou no aeroporto militar de Catam, onde foi recebida pela embaixadora da Colômbia em Washington, Carolina Barco, e seu homólogo dos Estados Unidos em Bogtá, William Brownfield.

 

Hillary, que tocou o solo colombiano às 19h35 local (21h35 de Brasília) chegando do Equador, onde participou da 40ª Assembleia da OEA, não deu declarações à imprensa.

 

Em sua reunião de quarta no Palácio de Nariño, sede do Executivo, a secretária e Uribe conversarão sobre a democracia na região, o terrorismo, o narcotráfico e o Tratado de Livre Comércio (TLC) entre a Colômbia e os Estados Unidos.

 

Dentro de sua apertada agenda em Bogotá, Hillary também dialogará sobre estes mesmos temas com os candidatos à presidência Antanas Mockus, do Partido Verde, Juan Manuel Santos, do governista Partido do "U".

 

Brownfield disse a jornalistas que a visita da secretária à Colômbia servirá para revisar a agenda bilateral, em especial em temas como segurança, política e economia.

 

A Colômbia é considerada um dos principais aliados dos Estados Unidos na região para a luta contra o narcotráfico e o terrorismo.

 

No ano passado, Bogotá e Washington firmaram um acordo de cooperação militar, no qual foi estabelecido que os EUA podem utilizar sete bases colombianas. O trato foi criticado por alguns países sulamericanos porque, segundo eles, pode desestabilizar a região.

 

De Quito, a chefe da diplomacia americana reiterou que seu governo proverá á União das Nações Sulamericanas (Unasul) a informação necessária sobre a presença de tropas americanas em território colombiano.

 

Hillary explicou que a cooperação militar que os Estados Unidos oferecem à Colômbia está direcionada especificamente à luta contra o narcotráfico e a subversão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.