Honduras estende toque de recolher na divisa com Nicarágua

Seguidores de Zelaya se mantêm na fronteira à espera de que o líder deposto entre de novo no país

Efe

27 de julho de 2009 | 22h12

O Governo de Honduras estendeu nesta segunda-feira, 27, por mais 12 horas o toque de recolher na fronteira com a Nicarágua, por onde o presidente deposto Manuel Zelaya procura retornar ao país.

 

O toque de recolher, vigente desde sexta-feira passada, sofre ampliação a partir desta segunda-feira das 18h até as 6h de terça-feira (21h às 9h em Brasília), como informou um porta-voz presidencial.

 

Veja também:

linkZelaya instala base de resistência em fronteira com Honduras

linkAutoridades denunciam apoio das Farc a protestos pró-Zelaya

linkExército hondurenho defende negociação na Costa Rica

som Enviado do "Estado" comenta manifestações pró-Zelaya 

lista Perfil: Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

especialPara analistas, pressão econômica seria a saída

 

A medida seguirá abrangendo o departamento de El Paraíso (leste) e os municípios de San Marcos de Colón, Duyure e Concepción de María (sul).

 

Grupos de seguidores de Zelaya se mantêm na fronteira à espera de que o líder deposto entre de novo em Honduras.

 

Na sexta-feira, o presidente deposto entrou brevemente na zona de segurança da fronteira hondurenha, mas voltou à Nicarágua, na passagem limítrofe de Las Manos (El Paraíso), e depois retornou para pernoitar em Ocotal, 225 quilômetros ao norte de Manágua.

 

Um grupo de simpatizantes e familiares de Zelaya está em uma reserva policial e militar em território hondurenho a vários quilômetros de Las Manos.

 

Também em Ocotal, Zelaya organiza a "resistência" contra o Governo Roberto Micheletti, que o substituiu por designação parlamentar depois que os militares o detiveram e expulsaram do país em 28 de junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.