Honduras estende toque de recolher por tempo indeterminado

Enquanto durar restrição, só será permitido o trânsito de ambulâncias, médicos e enfermeiras com 'autorização'

Efe,

23 de setembro de 2009 | 20h42

O governo de fato de Honduras restabeleceu nesta quarta-feira, 23, o toque de recolher por tempo indeterminado depois de ter suspenso a medida durante sete horas para permitir que a população se abastecesse de alimentos e outros produtos básicos. Em comunicado divulgado em rede nacional de rádio e televisão, o governo disse que o toque de recolher será restabelecido a partir das 17h locais de hoje (20h de Brasília), mas deixou o horário de seu final em aberto.

 

Veja também:

linkLula pede reunião sobre Honduras com Obama; ONU não apoiará eleição

linkRepórter do 'Estado' relata tensão para chegar a Honduras

link Entrevista: Zelaya diz que espera solução pacífica para crise

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

som Eldorado: Ouça comentário de Lula sobre crise política

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse em Honduras

 

"O horário em que este toque de recolher termina será informado oportunamente", diz o comunicado. Enquanto esta restrição durar, só será permitido o trânsito de "ambulâncias, pessoal médico e de enfermaria que apresentem autorização", prossegue o governo de fato, ao ressaltar que a medida está sendo implementada para "proteger a tranquilidade, a vida e os bens das pessoas."

 

O governo presidido por Roberto Micheletti impôs o toque de recolher na segunda-feira, mas o suspendeu hoje durante sete horas para permitir que a população se abastecesse de alimentos, água, combustíveis e outros itens de primeira necessidade. Nesta quarta, policiais e militares usaram gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar uma manifestação em Tegucigalpa de simpatizantes do presidente deposto hondurenho, Manuel Zelaya, que se aproximava das imediações do Parlamento de Honduras.

 

Segundo testemunhas, há fragmentos de munição de armas de fogo usadas por policiais e militares no local. O grupo de manifestantes partiu da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, onde Zelaya recebeu abrigo desde que voltou para Honduras, na segunda-feira. A sede da Embaixada também foi o ponto final de uma passeata de apoio ao líder deposto, que terminou pacificamente quando teve seu avanço impedido por policiais e militares.

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.