Hugo Chávez promete eleição limpa na Venezuela

O presidente Hugo Chávez garantiu na sexta-feira que não há chance de fraude na eleição parlamentar de domingo na Venezuela, apesar das queixas nesse sentido de alguns adversários seus.

REUTERS

24 de setembro de 2010 | 19h02

Chávez já promoveu cerca de uma dúzia de eleições desde que chegou ao poder, em 1998. Em geral, observadores internacionais consideram os pleitos corretos, mas os partidos de oposição eventualmente os denunciam.

Aliados de Chávez disseram nesta semana que alguns políticos de oposição já estão se preparando para protestar depois da eleição dos novos 165 deputados nacionais.

"Não há possibilidade de fraude", disse Chávez na TV estatal. "Esperemos os resultados na noite (de domingo), vocês sabem que eles são bem protegidos. Ninguém pode dizer, a não ser que seja irresponsável, que houve fraude."

Uma autoridade eleitoral crítica ao governo ecoou nesta semana as preocupações oposicionistas de que Chávez teria abusado dos recursos estatais, inclusive dominando a mídia, durante a campanha.

Mas esse funcionário afirmou que os mecanismos de votação estão no nível dos melhores do mundo. Nenhum líder oposicionista sugeriu que haverá manipulação direta dos votos.

Pesquisas e analistas anteveem um eleitorado dividido, talvez com alguns pontos percentuais de vantagem para o Partido Socialista Unificado da Venezuela (chavista) em relação à oposição.

Nesse cenário, devido a recentes alterações nos distritos eleitorais, favorecendo os políticos governistas, o PSUV ampliaria sua maioria parlamentar. Não está claro, no entanto, se obterá os dois terços necessários para fazer grandes reformas.

A eleição é um importante teste para o apoio a Chávez e à sua "revolução socialista" no país, maior exportador de petróleo da América do Sul. O presidente deve buscar um novo mandato em 2012.

(Reportagem de Andrew Cawthorne)

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELAELEICOESCHAVEZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.