Identificam mais 5 guatemaltecos como vítimas de chacina no México

Número de pessoas da Guatemala que morreram no massacre de 72 imigrantes chega a dez

estadão.com.br,

07 de outubro de 2010 | 21h16

GUATEMALA- Autoridades mexicanas identificaram nesta quinta-feira, 7, outros cinco guatemaltecos vítimas da chacina de 72 imigrantes que ocorreu no norte do México no fim de agosto. As informações são da agência de notícias AFP.

 

"Já foram identificados outros cinco guatemaltecos e agora estamos no processo de repatriação dos cadáveres. Com eles, somam dez os guatemaltecos" assassinados no massacre de Tamaulipas", afirmou o chanceler da Guatemala, Haroldo Rodas, em uma coletiva de imprensa.

 

A identidade das vítimas não foi revelada. Segundo o ministro, haverá uma reunião com autoridades mexicanas para acelerar o processo de repatriação dos cadáveres.

 

Quatro brasileiros morreram na chacina: são eles os paraenses Edilsimar Júnior Faustino da Silva, de 23 anos, Natane Amaral da Silva, namorada de Edisilmar, e os mineiros Hermínio Cardoso dos Santos, de 24 anos, e Juliard Aires Fernandes, de 20.

 

Além de guatemaltecos e brasileiros, também foram assassinados hondurenhos, salvadorenhos e equatorianos que pretendiam ingressar ilegalmente nos Estados Unidos.

 

A polícia acredita que os imigrantes foram mortos por traficantes do cartel Los Zetas após se negarem a trabalhar como matadores de aluguel para os criminosos. As únicas testemunhas do crime são o equatoriano Luis Freddy Lala Pomavilla, que entrou em contato com as autoridades, o hondurenho sob proteção policial que colabora com as investigações no México, e o terceiro sobrevivente, ainda não identificado.

 

Lala, no entanto, afirmou à imprensa oficial de seu país que viajava em um grupo de 76 pessoas, deixando aberta a possibilidade de que exista mais uma testemunha para o crime.

 

Desde 2006, a violência relacionada ao tráfico de drogas no México deixou mais de 28 mil mortos, a maioria na área fronteiriça com os EUA. O governo destacou 50 mil militares para combater os traficantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.