Igreja Católica retoma contato com as Farc por reféns

A Igreja Católica retomou os contatospara que a guerrilha Farc que autorize uma visita da CruzVermelha a 44 reféns e aceite negociar um acordo com o governoda Colômbia numa zona especial, disse um bispo naquarta-feira. A Igreja sempre serviu de ponte entre o governo e asguerrilhas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) eExército de Libertação Nacional (ELN), na busca por diálogo enegociações que levem a um fim do violento conflito interno demais de quatro décadas. "Fizemos contato com eles [as Farc] e todo o resto estamoslevando adiante numa discrição que é fundamental nesses casos.Estamos trabalhando com muito entusiasmo, com muito interesse",disse a jornalistas o presidente da Conferência EpiscopalColombiana, Luis Augusto Castro. O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, aceitou em dezembrouma proposta da Igreja para que seu comissário de paz sereunisse com representantes das Farc numa área previamentedefinida, para negociar a libertação de 44 reféns políticos,entre eles a ex-candidata a presidente Ingrid Betancourt. Em troca, as Farc, que têm cerca de 17 mil combatentes,reivindica a libertação de 500 combatentes presos. Depois de libertarem suas reféns Clara Rojas e ConsueloGonzález, no começo do mês, as Farc rejeitaram a oferta de umazona de encontro e insistiram na necessidade de que o governoretire o Exército e a polícia de uma área montanhosa deaproximadamente 780 quilômetros quadrados, extensão aproximadada cidade de Nova York. Mas Uribe, que com apoio dos EUA lidera uma ofensiva contraas Farc, se nega a desmilitarizar a zona, com o argumento deque a guerrilha pretende tirar proveito de uma regiãoestratégica para o tráfico de drogas e armas. Ele oferece paraa negociação uma área de 150 quilômetros quadrados na qual nãohaja nem população civil nem quartéis das Forças Armadas. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.