Ike atinge o oeste de Cuba antes de entrar no Golfo do México

Destruição pode ser grande por mau estado de conservação na capital; tornado pode ganhar força no mar

Agências internacionais,

09 de setembro de 2008 | 07h32

 O furacão Ike atingiu nesta terça-feira, 9, o oeste de Cuba, inclusive Havana, após deixar pelo menos quatro mortos, grandes inundações e perdas multimilionárias em cidades, povoados e campos do leste e do centro do país. A tempestade estava às 6h (7h em Brasília) a pouco mais de 100 quilômetros ao sudeste de Havana, com ventos máximos sustentados de 130 km/h e seqüências muito mais fortes. No fim do dia, a tempestade deve chegar ao Golfo do México, onde pode se fortalecer e possivelmente se transformar em um furacão de maiores proporções enquanto segue em direção ao Estado americano do Texas, no final da semana.   O olho do fenômeno agora se desloca rumo ao oeste a 20 km/h, pelos mares do sudoeste de Cuba, e deve girar para noroeste, em direção às províncias de Havana e Pinar del Río, onde já lança seus ventos de furacão. Os meteorologistas dizem que o Ike atravessará mais uma vez a ilha e sairá durante a próxima noite pela costa noroeste do Golfo do México, rumo ao sul dos Estados Unidos.   Meteorologistas alertam que a trajetória do Ike ainda pode mudar, e o furacão pode atingir terra no norte do México ou no sul da Louisiana, possibilidade que coloca em alerta a cidade de Nova Orleans, já castigada pelo Gustav na semana passada. Em Cuba, o Ike provocou ondas gigantes, inundações, destruição e deixou pelo menos quatro mortos.   Os meteorologistas acreditam que o Ike pode alcançar novamente a categoria 3, uma das mais altas da escala Saffir-Simpson, quando iniciar sua rota em direção ao Golfo do México, em uma trajetória que o levaria à costa do Texas (EUA). Em seu caminho está Havana, onde a destruição pode ser grande, já que 70% das casas estão em mau estado de conservação.   Em alerta caso o Ike mude de rota, o prefeito de Nova Orleans, Ray Nagin, afirmou que será difícil para que a população volte a deixar a cidade depois que autoridades exigiram que eles saíssem por conta dos riscos do Gustav. "A população está tão cansada e financeiramente prejudicada".   Antes de Cuba, o Ike já causou muitos danos no Haiti, nas ilhas Turks e Caicos e nas Bahamas em seu caminho pelo Caribe. Segundo a BBC, as autoridades em Turks e Caicos estimam que 80% dos prédios foram danificados. No Haiti, onde a destruição foi descrita como catastrófica, a Tempestade provocou pelo menos 61 mortes.   O furacão Ike é a quarta tempestade a atingir o Haiti no período de um mês. Na semana passada, a passagem do furacão Hanna afetou 650 mil haitianos, segundo o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) para a infância, o Unicef. Pelo menos 500 pessoas morreram. Além da passagem de Hanna, o país sofreu com o impacto do Gustav, na última semana, e Fay, há duas semanas.   Matéria atualizada às 9h40.

Tudo o que sabemos sobre:
CubaEUAIke

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.