Ike mata ao menos 70 em sua passagem pelo Haiti e Cuba

Governo haitiano pode declarar estado de emergência; furacão perdeu força e passou para categoria 1

Efe,

09 de setembro de 2008 | 01h09

Pelo menos 66 pessoas morreram e 14 desapareceram no Haiti por causa das inundações provocadas pelo furacão Ike. Ao passar por Cuba, o furação deixou 4 mortos. A diretora de Defesa Civil do Haiti, Marie Alta Jean-Baptiste, afirmou que 60 das vítimas fatais foram registradas em Cabaré, situada 24 quilômetros ao norte de Porto Príncipe, e outras três em Gonaives, uma das mais afetadas pela tempestade Hanna. A tempestade deixou 172 mortos no país. De acordo com os dados oferecidos por Jean-Baptiste, 50 pessoas ficaram feridas pelo fenômeno, que deixou pelo menos 3.405 desabrigados, sendo 900 em Cabaré. Nesta segunda-feira, 8, a Câmara de Deputados do Haiti aprovou por unanimidade uma lei que permitirá ao Executivo declarar o estado de emergência em período de catástrofes naturais, algo que não figura na Constituição local. A lei que agora deverá passar à Câmara do Senado estabelece que o estado de emergência poderia durar 15 dias com possibilidade de se estender por outros 15 dias, sem a prévia aprovação do Parlamento. No entanto, esclareceu que se for necessário estender o período além de 30 dias, o Executivo deverá consultar o Parlamento. Cuba Pelo menos quatro pessoas morreram nesta segunda-feira, 8, em Cuba em acidentes relacionados à passagem do furacão "Ike", informou a televisão estadual. Duas das vítimas estavam desmontando uma antena no teto de casa, que caiu sobre o cabo elétrico, o que fez com que morressem eletrocutadas, em Corralillo, província de Villa Clara, segundo um relatório preliminar da televisão. Além disso, em Camagüey, um indivíduo morreu ao ser soterrado por uma parede da casa na qual morava, que foi derrubada por uma árvore que caiu pelos ventos de Ike. A quarta vítima, uma idosa, faleceu no desabamento de sua casa em Banes, província de Holguín. O furacão Ike atravessou Cuba de leste a oeste ao longo de segunda-feira, deixando, em sua passagem, rios transbordados, cortes de eletricidade, muitos danos econômicos e mais de 1,2 milhão de desabrigados. Após destruir milhares de casas, arrasar hectares de plantações e deixar alagadas cidades em Cuba, o Ike perdeu força nas últimas horas e se tornou furacão de categoria 1, com ventos máximos sustentados de 130 km/h e rajadas de até 200 km/h.

Tudo o que sabemos sobre:
HaitiCubapassagemfuracão Ike

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.