Associated Press
Associated Press

Impedido de voltar a Honduras, Zelaya chega a El Salvador

O presidente deposto Manuel Zelaya não teve permissão para pousar na capital, Tegucigalpa

Agências internacionais,

05 de julho de 2009 | 23h43

O avião venezuelano que transporta o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, chegou a El Salvador, vindo de Manágua, capital da Nicarágua, depois que foi impedido de descer em solo hondurenho.

 

Veja também:

 

linkAeronáutica hondurenha diz que Zelaya vai para El Salvador

linkNicarágua move tropas na fronteira, diz governo de Honduras

mais imagens Galeria com imagens de protestos em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

som Podcast: De Honduras, Gustavo Chacra comenta expectativas para volta de Zelaya

som Podcast: Representante da OEA analisa atual situação em Honduras

som Podcast: Professor da Unesp analisa Golpe de Estado em Honduras

som Podcast: Especialista teme que países sigam o exemplo

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA  

 

 

Zelaya desceu no aeroporto internacional de El Salvador para reunir-se com os presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e do Equador, Rafael Correa, além de com o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, informa a rede de TV venezuelana Telesur. No mesmo voo estava o presidente do Paraguai, Fernando Lugo.

 

O presidente deposto chegou a El Salvador acompanhado por sua chanceler, Patricia Rodas, e pelo presidente da Assembleia-Geral da ONU, o nicaraguense Miguel D'Escoto.

 

O avião de Zelaya havia pousado em Manágua depois de ser impedido de descer no aeroporto de Tegucigalpa. Zelaya partira mais cedo de Washington rumo a Honduras, a bordo de um avião venezuelano, acompanhado por D'Escoto e outras autoridades.

 

Mais cedo, enquanto o voo de Zelaya tentava pousar em Honduras, pelo menos duas pessoas morreram e duas ficaram gravemente feridas num confronto entre as tropas militares e policiais e manifestantes favoráveis ao líder deposto, que aguardavam o retorno do presidente no aeroporto de Tegucigalpa. Os choques aconteceram nos arredores do aeroporto. Por volta das 20h30,  Zelaya informou que a aterrissagem de seu avião estava sendo impedida por veículos que foram colocados na pista. 

 

As autoridades aeroportuárias de Honduras recusaram autorização de pouso ao avião que transportava Zelaya. A torre de controle do aeroporto de Tegucigalpa disse ao piloto que o avião corria o risco de ser interceptado se tentasse pousar. Por conta da violência entre tropas e manifestantes, o governo de Honduras anunciou que um novo toque de recolher entrava em vigor a partir das 18h30 (21h30 de Brasília) deste domingo.

 

 Milhares de simpatizantes de Zelaya tinham se dirigido ao aeroporto, após uma marcha de um quilômetro, para recebê-lo. Uma emissora local mostrou milhares de simpatizantes de Zelaya tentando derrubar a cerca do aeroporto. No telhado do terminal aéreo, foram vistos vários atiradores.

 

Enviando comunicados a partir do avião, por meio da Telesur, Zelaya ordenara aos militares a abertura do aeroporto, declarando-se o comandante supremo legítimo das Forças Armadas, e pediu lealdade aos hondurenhos. 

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasZelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.