Incêndio na Argentina: parentes ainda buscam justiça

Passeata marca os três anos de morte de 193 em incêndio numa discoteca de Buenos Aires

Efe

31 de dezembro de 2007 | 02h45

Parentes e amigos das 193 pessoas mortas num incêndio em uma discoteca de Buenos Aires, em 30 de dezembro de 2004, realizaram uma passeata neste domingo pela capital argentina para pedir justiça e punições severas aos culpados pelo acidente. A manifestação, que também incluiu a presença de organizações sociais e de direitos humanos, saiu da Praça de Maio, em frente à sede do Governo argentino, até o bairro de Once, onde ficava a discoteca. Familiares das vítimas leram um documento em que questionaram a postura do ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner (2003-2007) e do ex-prefeito de Buenos Aires Aníbal Ibarra (1999-2006), que se esconderam após o fato. As atividades começaram ontem à noite, com uma vigília na Praça de Maio para lembrar as vítimas, em sua maioria jovens. O arcebispo argentino Jorge Bergoglio também presidiu hoje uma missa na Catedral de Buenos Aires, em que pediu justiça. O incêndio provocou a cassação de Ibarra do cargo de prefeito no final de 2005, mas ele acabou exonerado pela justiça por falta de provas. O local pegou fogo depois que um dos espectadores de um show de rock soltou um rojão em seu interior. A casa funcionava irregularmente e, no momento do incêndio, havia em seu interior quase 4.000 pessoas, o dobro da capacidade do local, e suas saídas de emergência estavam bloqueadas. O prefeito foi acusado de omissão por falta de fiscalização. Omar Chabán, dono da discoteca, acabou preso após o incidente e só foi liberado no último dia 7, em meio à indignação dos familiares das vítimas e da opinião pública. Outros acusados são o principal colaborador de Chabán, Raúl Villarreal, e cinco membros da Polícia Federal, que teriam sido subornados para deixarem o local funcionando fora das normas. Também estão na mira da Justiça os seis integrantes e o empresário da banda Callejeros, que tocava na discoteca, e o encarregado da cenografia naquele dia.

Tudo o que sabemos sobre:
Discotecaargentinaincêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.