Indicação de chanceler divide futuro governo do Paraguai

A coalizão de centro-esquerda quegovernará o Paraguai a partir da semana que vem sofreu suasprimeiras fissuras na terça-feira, quando cinco senadoresromperam com o presidente eleito Fernando Lugo devido à escolhade Alejandro Hamed como chanceler do país. Políticos conservadores dizem que Hamed, ex-embaixador noLíbano, apóia abertamente a causa palestina. Cinco senadores do Partido Liberal, o maior da coalizão,decidiram deixar a bancada governista por causa da indicação. "Nós, liberais, temos de ser críticos e defender nossasidéias. Ser parte da aliança não significa ficar quietos quandoachamos que o Executivo está cometendo erros", disse o senadorAlfredo Jaegli a jornalistas. "(Hamed) é uma pessoa polêmica demais para ser ministro deRelações Exteriores." O indicado já foi investigado por supostamente concedervistos paraguaios irregularmente durante a guerra de 2006 entreIsrael e a guerrilha libanesa Hezbollah. O processo foiarquivado por falta de provas. A posse de Lugo, um ex-bispo católico, encerrará no dia 15mais de 60 anos de hegemonia do Partido Colorado no Paraguai,um regime que ficou notório pela corrupção. Lugo disse a jornalistas que alguns grupos oposicionistasquerem sabotar seu governo, provocando escassez de combustível,cimento e medicamentos para hospitais públicos, além de rasparo caixa dos órgãos públicos às vésperas da posse dele. Mas o futuro chefe-de-gabinete Miguel López Perito disseque "tudo está completamente sob controle". "Sabemos os nomesdas pessoas que estão gerando esse tipo de rumores emovimentos. E vamos agir quando for necessário." (Reportagem adicional de Mariel Cristaldo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.