Indígenas colombianos convidam Farc para diálogo pela paz

Três tribos enviam mensagem a Alfonso Cano, acusando guerrilha e Estado de tentar levá-las 'para guerra'

Efe,

09 de março de 2009 | 17h41

As tribos indígenas do departamento de Cauca, no sudoeste colombiano, convidaram as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para um diálogo público que ajude a avançar no caminho da paz. A iniciativa da Associação de Cabildos Indígenas do Norte de Cauca (Acin) e do Conselho Regional Indígena do Cauca (Cric) foi apresentada em mensagem divulgada nesta segunda-feira, 9, pela internet e dirigida ao líder das Farc, "Alfonso Cano", apelido de Guillermo León Saenz Vargas. Veja também:Colômbia soltará ex-rebeldes para serem 'gerentes da paz'Por dentro das Farc Histórico dos conflitos armados na região   "Não queremos simplesmente ser excluídos da guerra e de suas atrocidades, enquanto esta segue assolando o país e os outros povos; não queremos nos fechar em uma carapaça enquanto as pessoas se matam. Não. Queremos que a guerra termine", afirmam os signatários da carta, datada de 19 de fevereiro. O interesse do Estado e das Farc é levar os indígenas "à força na lógica de guerra", acrescentam a Acin, que reúne as autoridades do povo dos paeces, e o Cric, composto por conselheiros da etnia e da dos guambianos, originárias do sudoeste da Colômbia.  "Não queremos ser um grupo armado, não queremos que nossos membros se tornem combatentes de nenhum Exército, porque achamos que a desmobilização direta do povo, o governo popular e a organização consciente de todos e todas são mais poderosos que qualquer força armada", acrescenta o texto. "Queremos que esta carta sirva para abrir um diálogo público com vocês, que esperamos que seja direto e transparente, que ajude a resolver os problemas e a avançar no caminho da paz, e que não agrave a situação", expressam as organizações indígenas.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.