Indígenas de Chiapas encerram dez anos de resistência

População afirma que "não suportam mais a probreza" e aceitam acordo com o governo mexicano

Efe,

07 de fevereiro de 2008 | 09h52

Centenas de indígenas, identificados como bases de apoio da guerrilha zapatista no Estado de Chiapas, anunciaram que a partir desta quarta-feira, 6 receberão apoio do governo mexicano e encerrarão dez anos de resistência civil. "Chegamos a um nível em que não podemos continuar; não agüentamos mais a pobreza", disse em um ato Javier Luna Ruiz, representante das 193 famílias da comunidade Polhó, na zona de Altos de Chiapas, identificadas como base social do guerrilheiro Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN). Funcionários da Secretaria de Desenvolvimento Social e da Comissão Nacional para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas entregaram a estes indígenas um auxílio do programa assistencial "Oportunidades" e se comprometeram a realizar obras de infra-estrutura e projetos de desenvolvimento.  O coordenador de delegações da Comissão Nacional para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas, Xavier Abreu, informou que em uma semana, diferentes órgãos governamentais analisarão os apoios que darão aos indígenas, que aceitaram a ajuda oficial após cinco anos de negociações.

Mais conteúdo sobre:
ChiapasMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.