Índios pedem asilo em embaixada em Honduras por perseguição

Indígenas alegam que governo de facto já os prendeu pelo apoio apoiar a Zelaya e pediram ajuda à Guatemala

Efe,

06 de outubro de 2009 | 15h25

Doze pessoas pertencentes à etnia lenca, que vive no oeste de Honduras, pediram nesta terça-feira, 6, asilo político na Embaixada da Guatemala em Tegucigalpa, denunciando perseguição" do governo de facto hondurenho.

 

Veja também:

linkMicheletti revoga estado de sítio

linkMissão da OEA tenta forçar diálogo

linkSituação sanitária na missão começa a se agravar

especialEspecial: O impasse em Honduras 

 

"O regime de fato nos persegue, reprime e mata", afirma um dos cartazes dos indígenas, que se encontram no recinto diplomático guatemalteco, aonde entraram às 9h (12h de Brasília).

 

María Cruz, uma das coordenadoras do grupo indígena, disse que os que pediram asilo político estiveram participando das manifestações da resistência que vêm sendo realizadas desde que o presidente Manuel Zelaya foi derrubado, em 28 de junho.

 

Alguns deles foram detidos temporariamente e os corpos de segurança lhes advertiram que, se voltassem a ser capturados, seriam mortos. "Solicitamos asilo político ao povo e ao governo da Guatemala pela perseguição deste regime ditatorial", afirma outro cartaz, do Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras.

 

Alguns dos indígenas são residentes dos departamentos de Santa Bárbara, Lempira e Intibucá, estes dois últimos fronteiriços com El Salvador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.