Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Ingrid Betancourt pode estar na Venezuela, diz jornal

Imprensa local ventila boatos de que ex-candidata possa estar em sítio do ex-ministro do Interior de Chávez

EFE,

20 de dezembro de 2007 | 21h05

Citando fontes de inteligência, o jornal caraquenho El Nacional afirma na sua edição desta quinta-feira, 20, que a ex-candidata à presidência da Colômbia Ingrid Betancourt já estaria em território venezuelano para "receber assistência médica e se recuperar".  Veja também:Reféns das Farc podem já estar em território venezuelanoEntenda o que são as FarcCom Farc e Uribe pressionados, Colômbia tem ano otimistaCronologia: do seqüestro à perspectiva de liberdade   Ainda de acordo com o jornal, Ingrid estaria no sítio do ex-ministro do Interior de Chávez, Ramón Rodríguez, acompanhada dos três outros reféns que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) prometeram libertar na terça-feira, 18, por meio de uma nota. A guerrilha anunciou a libertação de Clara Rojas - assessora de campanha de Ingrid Betancourt, com quem foi seqüestrada em fevereiro de 2002 -, do filho que teve com um guerrilheiro no cativeiro, Emanuel, e a deputada Consuelo González, refém desde 2001.  A libertação da ex-candidata presidencial pelas Farc teria como objetivo "apagar a terrível imagem de que a guerrilha seria inumana", afirma ainda a matéria da jornalista Marianella Salazar no El Nacional.  As especulações sobre a presença dos reféns das Farc na Venezuela vem se repetindo na imprensa local há várias semanas. Porta-vozes oficiais, no entanto, as qualificaram de fantasiosas e reiteraram que o seu objetivo é confundir a opinião pública e espalhar a discórdia entre os povos da Colômbia e da Venezuela.  Em declarações ao jornal O Estado de S. Paulo, Fabrice Delloye, ex-marido de Ingrid Betancourt, voltou a pedir que governos europeus e sul-americanos pressionem o presidente colombiano a fazer concessões para a libertação de mais reféns.  "Sem pressão, Álvaro Uribe não fará nada, pois ele não quer o acordo humanitário."  Para Delloye, os recentes avanços estão ligados "a Nicolas Sarkozy, que transformou o tema em assunto de Estado, e a Hugo Chávez".

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtFarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.