'Ingrid é imoral e descarada', diz escritor colombiano

Fernando Vallejo critica a comoção internacional causada pela libertação da ex-refém das Farc

Caio Quero, do estadao.com.br,

03 de julho de 2008 | 18h40

Em visita à 6ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip, para lançar o livro O Despenhadeiro (Editora Alfaguara), o escritor colombiano Fernando Vallejo criticou a comoção internacional causada pela libertação da ex-candidata à presidência da Colômbia Ingrid Betancourt.   Veja também: Ingrid pede liga de países para libertar reféns Ingrid chega à França nesta sexta-feira Reféns contam como era o dia-a-dia O drama de Ingrid Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região    Cronologia do seqüestro de Ingrid Betancourt Leia tudo o que foi publicado sobre Ingrid   Para ele, Ingrid teve uma postura oportunista ao se arriscar na localidade de San Vicente del Caguán durante sua campanha presidencial em 2002, apesar dos avisos sobre os riscos à sua segurança.   Um dos principais convidados da Flip deste ano, Vallejo é conhecido por suas opiniões polêmicas sobre a Igreja Católica, o papa e a política colombiana.   Leia a entrevista que Vallejo concedeu por telefone, de Parati, ao estadao.com.br   Qual sua opinião sobre a libertação de Ingrid Betancourt pelo governo colombiano?   Ingrid Betancourt é mais uma personagem da classe política colombiana. É imoral, descarada, gente que acha que pode presidir o destino de 40 milhões de pessoas.   Neste momento, as Farc têm pelo menos 700 seqüestrados, mas nenhum deles, exceto Ingrid e Clara Rojas, buscou seu seqüestro. Ela quis ir a San Vicente del Caguán apesar dos avisos do ministro do Interior de que ela não poderia ir lá, de que não poderia garantir sua segurança. Por que foi pra lá? Ela queria dar um golpe publicitário.   Além disso, ela tem dupla cidadania. Por que uma francesa queria presidir os colombianos? Por que não foi à França para competir com Chirac?   Os jornais fizeram uma telenovela, uma história de aventura com isso. Hoje os jornais do Brasil deram esta história na primeira página, como se fosse um feito estelar. Mas isto é fruto de desconhecimento dos fatos.   A família dela moveu a imprensa internacional com apoio de Sarkozy dizendo que ela estava morrendo. Mas ela pareceu estar com boa saúde. Onde está a heroína? Isto é uma vergonha.   O sr. acha que Uribe vai se aproveitar do resgate para buscar um terceiro mandato?   Claro, mas isto não tem a mínima importância. São todos iguais: ele, ela e toda a classe política colombiana. Não mudará nada o país.   O que acha das Farc?   As Farc são um bando de assassinos, seqüestradores e narcotraficantes disfarçados de redentores sociais, de socialistas. Não são socialistas, são criminosos, assassinos, lixo humano.   E qual é a solução para a crise na Colômbia na sua opinião?   A Colômbia não tem solução, assim como não tem o planeta. Como pode ter solução um planeta que tem milhões de pessoas passando fome? Não há o que comer. Acabamos de ver, com a crise dos biocombustíveis, a alta dos preços do milho, do trigo do arroz. Estamos vivendo a catástrofe universal.

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtFarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.