'Ingrid não sofre de febre amarela e malária', diz marido

Em visita ao Departamento de Guaviare, marido da refém diz que Ingrid estaria vacinada até 2011

09 de abril de 2008 | 16h09

A ex-candidata à presidência da Colômbia Ingrid Betancourt não sofre de febre amarela e malária, disse seu marido, Juan Carlos Lecompte, nesta quarta-feira, 9. Segundo Lecompte, Ingrid, refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) desde 2002, teria sido vacinada contra as doenças em uma clínica em 2001, informou a agência France Presse.   Veja também: França promete que 'não abandonará Ingrid', diz chanceler Sinais particulares de Ingrid, por Loredano Conheça a trajetória de Ingrid Betancourt  Por dentro das Farc  Entenda a crise  Histórico dos conflitos armados na região     "Estive reunido antes com um médico francês e lhe mostrei um histórico clínico de Ingrid. Ali se pôde verificar que em março de 2001 ela foi vacinada contra febre amarela e malária", disse Lecompte, que alega ter se reunido com um dos médicos da missão conjunta enviada à Colômbia pela França para assistência aos reféns. "As vacinas valem até 2011", acrescentou.   "O médico ficou muito feliz porque isso significa que ela não sofre dessas enfermidades", destacou o marido de Ingrid. "Sei que o avião (da missão francesa em Bogotá) partirá nas próximas horas, mas o médico ficará mais alguns dias", continuou Lecompte, que chegou nesta quarta ao Departamento de Guaviare, onde acredita-se que a refém é mantida.   "Venho em busca de informações, venho buscar minha mulher. Estou muito preocupado com seu destino", declarou Lecompte. Na terça-feira, o comando central das Farc disse que a missão de socorro mandada pelo governo francês "não é procedente", pelo fato de ter sido enviada sem o consentimento da guerrilha.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcIngrid BetancourtColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.