Ingrid volta à Colômbia pela primeira vez após seqüestro

Ex-refém das Farc vai promover uma fundação em favor dos seqüestrados pela guerrilha

Efe

29 de novembro de 2008 | 19h43

A ex-candidata presidencial colombiana Ingrid Betancourt, refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) resgatada em julho em uma operação militar, chegou neste sábado, 29, a Bogotá. Veja também: Ingrid Betancourt deve se reunir com Lula na sexta-feira Esta é a primeira escala de uma viagem latino-americana para promover uma fundação em favor dos seqüestrados pela guerrilha na Colômbia. A viagem é a primeira que a ex-refém faz ao país desde que foi resgatada com três americanos e 11 militares e policiais colombianos em uma ação militar. Betancourt chegou procedente de Paris, a bordo de uma aeronave da Air France que aterrissou no aeroporto "Eldorado", de Bogotá, por volta de 16h (19h de Brasília). Uma fonte da embaixada da França na Colômbia disse à Agência Efe que a única atividade em Bogotá que conhece da ex-refém é uma entrevista coletiva que ela deve conceder hoje à noite. Em Paris, o presidente da Federação de Comitês de Apoio a Ingrid Betancourt, Olivier Roubi, disse à Efe que a ex-refém viajou à Colômbia para uma visita à região. Betancourt prometeu trabalhar pelos 28 seqüestrados passíveis de troca que seguem em poder das Farc, entre civis, militares e policiais, alguns deles com quase 11 anos em cativeiro. A franco-colombiana e os outros 14 reféns foram resgatados em 2 de julho na "Operação Xeque", lançada pelas Forças Militares colombianas no departamento de Guaviare (leste). Ingrid foi raptada em 2002, quando fazia campanha pela presidência. Ela foi resgatada em uma operação militar colombiana nas selvas do sul do país, junto com 13 outros reféns Em ocasiões anteriores, ela disse que não voltava à Colômbia por questões de segurança. Não se sabe quantos dias ela ficará no país. A polícia montou um esquema especial de segurança para a visita. (Com Associated Press)

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.