Instituto adverte sobre aumento da atividade de vulcão

Imagens de satélites advertem também de "uma anomalia térmica" de vulcão equatoriano

EFE,

09 de novembro de 2008 | 01h06

O Instituto Geofísico (IG) da Escola Politécnica Nacional do Equador advertiu de um aumento drástico na atividade do vulcão Reventador, a cerca de 90 quilômetros a leste de Quito, que permanecia em relativa calma há meses. O IG emitiu este sábado um "relatório especial" sobre o Reventador, no qual se adverte que desde as 13 horas (16 horas de Brasília) foi registrado um "tremor" ou tremor constante no interior do vulcão, que "aumentou progressivamente de amplitude". Além disso, o pessoal que trabalha na operação de um oleoduto estatal que cruza esse setor comunicou que desde ontem à noite pode ser observado um brilho de incandescência na cratera. Imagens de satélites advertem também de "uma anomalia térmica", enquanto a amplitude dos sinais sísmicos saturou as estações que vigiam o comportamento do vulcão. O processo foi acompanhado de uma procedência de cinza, cuja quantidade está em níveis "moderados", formando uma nuvem que se desloca segundo a direção do vento. O IG diz em seu relatório que "se mantém atento às mudanças geradas pela atividade do vulcão" e assegura que emitirá um novo relatório se as condições em sua atividade mudarem. O atual período eruptivo do vulcão, com 3.485 metros de altura, começou no ano 2002 e em novembro desse ano uma grande explosão lançou ao ar milhões de toneladas de cinza que, por efeito do vento, chegaram até Quito, cidade que ficou tingida com um manto grosso desse material. O Reventador se encontra em uma ponta da cordilheira oriental dos Andes equatorianos, porta de entrada para a Amazônia, e junto ao Tungurahua, no centro da cordilheira andina do Equador, são os mais ativos dos mais de 50 vulcões do país.

Tudo o que sabemos sobre:
VULCÃOQUITO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.