Inundações na Colômbia já causaram a morte de 40 mil cabeças de gado

Segundo empresariado, cerca de 20% das áreas criadores do país foram afetadas

Efe

26 de novembro de 2010 | 04h06

BOGOTÁ - Cerca de 40 mil cabeças de gado morreram afogadas nas inundações provocadas pelas intensas chuvas que atingem a Colômbia desde janeiro, revelou na quinta-feira, 25, o presidente da Federação Nacional de Criadores de Gado (Fedegan), José Félix Lafaurie.

Todo o setor sofreu "sérias consequências" pelo fenômeno climático "La Niña", assinalou Lafaurie durante o Congresso Nacional de Criadores de Gado, em Cartagena.

Segundo o dirigente empresarial, aproximadamente 20% das áreas criadoras de gado do país foram afetadas, especialmente a região andina e o norte.

Foram registrados na Colômbia em torno de 40 mil animais mortos, indicou, acrescentando que quando as chuvas cessarem haverá um grande esforço para restabelecer a capacidade produtiva do setor.

Para Lafaurie, seria caótico para a atividade se a temporada de chuvas de fato se estender até março de 2011, como indica a previsão.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, ao discursar na abertura do congresso anual dos criadores de gado, anunciou que o setor pode "ter a segurança" de que serão tomadas "as medidas - não só conjunturais mas estruturais - necessárias para estimular a recuperação".

Santos anunciou que está sendo programado "um plano de choque", com recursos internacionais, para ajudar os criadores de gado afetados durante o inverno.

O presidente colombiano indicou que "diante da sobrecarga da capacidade do Estado em atender tantas tragédias" pelas chuvas, o Ministério da Agricultura e o Banco Agrário destinaram recursos adicionais para aliviar a dívida dos criadores de gado afetados.

Desde o início do ano, as chuvas deixaram na Colômbia 161 mortos e 1,35 milhão de desabrigados, além de inundarem mais de 160 mil hectares de plantações.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbia, chuvas, gado, inundações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.