Investigação na Bolívia agrava tensão entre Morales e oposição

A investigação sobre um grupo de europeus que supostamente teria tramado para matar o presidente Evo Morales e desestabilizar a Bolívia aprofundou a divisão política e regional no país, já que a oposição afirma que as provas apresentadas pelo governo são frágeis.

EDUARDO GARCÍA, REUTERS

14 de maio de 2009 | 19h00

A polícia matou em abril um húngaro-boliviano, um irlandês e um húngaro na cidade de Santa Cruz (leste), além de apreender armas e deter outros dois integrantes do grupo "terrorista" que estaria planejando o atentado.

O esquerdista Morales disse que grupos direitistas de Santa Cruz financiavam a quadrilha, chefiada por um veterano da Guerra dos Bálcãs, Eduardo Rosza, que morreu no incidente.

Os grupos políticos e empresariais de Santa Cruz, que pleiteiam mais autonomia para a região, negam envolvimento com o suposto complô armado.

O promotor Marcelo Soza defendeu a investigação e disse à Reuters que testemunhas apontaram ligação financeira de dois dirigentes políticos de Santa Cruz - o governador Rubén Costas e o empresário Branco Markinkovic - com o grupo.

"Se dei esses nomes é porque tenho os elementos (para provar), não os inventei. Somente estou dedicando a investigar, nada mais", disse Soza.

Markinkovic disse na semana passada que as acusações são uma "montagem do governo, totalmente falsa, um ataque certeiro à autonomia" de Santa Cruz.

Rivais de Morales acusaram a polícia de ter matado a sangue frio os supostos mercenários, mas o governo insiste que houve um tiroteio.

Um funcionário que participa da investigação afirmou à Reuters que os investigadores esperam encontrar mais provas contra os líderes cruzenhos em cinco computadores portáteis apreendidos com o grupo armado.

"Mas uma das características das células terroristas é que evitam contato cara a cara", admitiu essa fonte, que pediu anonimato. "Será difícil provar (os contatos)".

Tudo o que sabemos sobre:
BOLIVIAPROCESSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.