Israel suspeita que Venezuela e Bolívia enviem urânio a Teerã

De acordo com documento do governo israelense, países sul-americanos cooperariam com o Irã

Agência Estado e Dow Jones

25 Maio 2009 | 14h52

O governo israelense suspeita que a Venezuela e a Bolívia enviem urânio ao Irã, de acordo com um documento do Ministério das Relações Exteriores que vazou para a imprensa. "Nós temos informações segundo as quais a Venezuela fornece urânio ao Irã para seu programa nuclear", aponta o documento.

 

"Parece que a Bolívia também é um fornecedor de urânio para o programa nuclear iraniano", sustenta o documento. O texto lembra que o presidente venezuelano, Hugo Chávez, teve um importante papel na melhoria dos laços entre Teerã e La Paz.

 

O documento sustenta ainda que a Venezuela ajuda o Irã a evitar sanções impostas pela ONU. Aponta ainda que os iranianos estão estabelecendo células do Hezbollah, grupo xiita libanês, no norte da Venezuela e na Ilha Margarita. Chávez já demonstrou anteriormente apoio ao programa nuclear iraniano.

 

O Irã nega as acusações de Israel e dos Estados Unidos de que seu programa nuclear não tenha apenas fins pacíficos, como o de produzir energia. O país é acusado de produzir armas nucleares e de cooperar com a Coreia do Norte, que testou mísseis na madrugada desta segunda-feira, 25. Atualmente, Teerã desobedece uma resolução da ONU para que interrompa o enriquecimento de urânio, processo que pode ser usado tanto para a produção de energia como de bombas nucleares.

 

O vazamento do documento ocorre uma semana antes de uma viagem do vice-ministro de Relações Exteriores de Israel, Danny Ayalon, a Honduras. O funcionário participará de uma assembleia geral da Organização dos Estados Americanos (OEA). O Ministério de Relações Exteriores afirmou que o evento será uma oportunidade para "confrontar a penetração do Irã e do Hezbollah na região".

Mais conteúdo sobre:
BolíviaVenezuelaIsraelIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.