Ezequiel Becerra/AFP
Ezequiel Becerra/AFP

Jornalista de TV fechada na Nicarágua é acusada de terrorismo

Lucía Pineda é diretora do canal 100% Noticias, que foi fechado por forças do governo no sábado

O Estado de S.Paulo, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2018 | 21h17

MANÁGUA - Lucía Pineda, diretora de imprensa do canal de televisão 100% Noticias, da Nicarágua, fechada pelo governo, foi acusada de terrorismo e colocada em prisão preventiva, informou a chancelaria da Costa Rica, que acompanha o processo porque a jornalista também tem essa nacionalidade. 

Pineda foi apresentada neste domingo, 23, a um tribunal, que lhe atribuiu as acusações de terrorismo e de incitação ao ódio, determinando que fique em prisão preventiva, informou a chancelaria em um comunicado.

No sábado, o dono da emissora de TV a cabo e de programação contínua 24 horas, o jornalista Miguel Mora, foi acusado pela promotoria de "fomentar e incitar o ódio e a violência", o que, segundo o Código Penal, configura os crimes de "provocação, proposição e conspiração para cometer atos terroristas". 

Ele foi apresentado algemado e com uniforme de presidiário a um tribunal, onde foi acusado dos mesmos crimes atribuídos a Pineda.

O canal 100% Notícias, que transmite 24 horas via cabo, foi um dos veículos de comunicação com cobertura mais constante sobre a crise na Nicarágua desde a explosão dos protestos contra o governo em 18 de abril.

A repressão aos protestos deixou, segundo organizações humanitárias, pelo menos 320 mortos, 600 presos e milhares de exilados em países vizinhos.

O processo inicial contra Pineda foi marcado para 25 de janeiro no Sexto Juizado Distrital de Audiência de Manágua, para onde foi enviado um forte contingente da tropa de choque.

As autoridades nicaraguenses não haviam informado a situação da jornalista, que foi levada sob sigilo ao tribunal 36 horas depois de ser presa na noite de sexta-feira (no horário local), quando a Polícia vasculhou e ocupou a sede do 100% Notícias, disse à AFP o advogado da Comissão Permanente de Direitos Humanos (CPDH), Pablo Cuevas. 

O traslado de Pineda, de 45 anos, foi feito sem o acesso da imprensa, nem notificação aos seus parentes para que lhe conseguissem um advogado.

Uma equipe da CPDH que permanece nos tribunais para dar assistência aos detidos foi quem alertou sobre a presença de Pineda no juizado e assumiu sua representação legal, disse o advogado.

Os arredores do complexo judicial estavam fortemente resguardados pela tropa de choque.

Com 23 anos de exercício profissional, Pineda é a segunda jornalista acusada no contexto dos protestos antigovernamentais que explodiram em 18 de abril contra uma reforma da Previdência Social, que o governo qualifica de tentativa de golpe de Estado. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.