Jornalista é morto a tiros no Equador

Segundo familiares, Raúl Rodríguez, vice-presidente da Rádio Sucre de Guayaquil, foi assassinado por vingança

Agência Estado e Associated Press,

23 de junho de 2008 | 19h12

O jornalista Raúl Rodríguez, vice-presidente da Rádio Sucre de Guayaquil, que escapou de um atentado três anos atrás, foi assassinado a tiros nesta segunda-feira, 23. Segundo seus familiares, pode ter sido uma vingança - a filha de Raúl, Alba Rodríguez, disse que o fato pode ser conseqüência de "ameaças."   Veja também: Jornalista venezuelano é encontrado morto a punhaladas   "Agora aconteceu a ele o mesmo (que há três anos), por ter denunciado", disse, sem especificar o que o jornalista teria denunciado. O médico legista da polícia Eduardo Montenegro confirmou à imprensa que Rodríguez, de 64 anos, morreu "em conseqüência de uma hemorragia tanto interna quanto externa, produzida por projéteis de arma de fogo."   O crime ocorreu em Guayaquil, a segunda maior cidade do Equador, 270 quilômetros ao sudoeste de Quito, quando dois homens desceram de um automóvel no momento em que Rodríguez saía de casa.   A dupla disparou cinco tiros contra o jornalista, disseram testemunhas. Segundo elas, Rodríguez tentou se defender com uma pistola que carregava, mas os assassinos foram mais rápidos.   Rodríguez, que trabalhava no jornalismo equatoriano há mais de 40 anos, sofreu uma tentativa de assassinato em maio de 2005. Naquela ocasião, ele escapou ileso.

Mais conteúdo sobre:
Equadorassassinatojornalista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.