Juiz chileno suspende bloqueio sobre propriedades de Pinochet

Ex-ditador era processado por fraude fiscal antes de morrer; seu patrimônio chegava a US$ 21 mi

Efe,

10 de agosto de 2010 | 19h49

SANTIAGO- O juiz chileno Manuel Valderrama, que conduz a investigação sobre a origem da fortuna de Augusto Pinochet, suspendeu nesta terça-feira, 10, o bloqueio sobre várias propriedades do ex-ditador, informaram fontes judiciais.

 

A decisão, que ainda pode ser alvo de recurso, significa que a família de Pinochet, morto em dezembro de 2006, terá as propriedades a sua disposição.

 

Valderrama acatou o pedido apresentado por Pablo Rodríguez Grez e Fernando Rabat, advogados de Lucía Hiriart, viúva do ditador chileno.

 

Os advogados alegaram que as medidas cautelares continuaram em vigor mesmo depois de Pinochet ter sido retirado do processo após sua morte e que o montante das despesas reservadas não correspondem ao valor das propriedades bloqueadas.

 

Com esta decisão, o magistrado desprezou o pedido do Conselho de Defesa do Estado, que é parte querelante no processo e defendeu a manutenção do embargo, como foi decretado antes pela Corte de Apelações de Santiago.

 

Segundo o tribunal, o patrimônio de Pinochet chegava a US$ 21,32 milhões, dos quais apenas US$ 1,36 milhão foi comprovado legalmente.

 

A investigação foi aberta após a descoberta de inúmeras contas secretas mantidas por Pinochet no banco americano Riggs e em outras entidades financeiras do exterior.

 

À época de sua morte, em 10 de dezembro de 2006, Pinochet estava sendo processado por fraude fiscal e uso de passaportes falsos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.