Juiz determina prisão de prefeito afastado de Bogotá

Um juiz da Colômbia determinou na sexta-feira a prisão do prefeito afastado de Bogotá por acusações de corrupção, o que praticamente põe fim a sua carreira política e deixa a esquerda numa má posição a um mês das eleições locais e regionais de outubro.

REUTERS

23 Setembro 2011 | 21h04

O prefeito Samuel Moreno, membro do partido Polo Democrático Alternativo --o único opositor do governo central--, não exerce suas funções desde maio, quando a Procuradoria Geral o suspendeu em meio a uma investigação por irregularidades em contratos para a execução de obras em Bogotá.

A Promotoria Geral o acusou de ter cometido delitos de interesses indevidos na celebração de contratos, peculato por apropriação a favor de terceiros, entre outros crimes dentro do processo chamado "carrossel da contratação".

O juiz Jorge Polidoro Bernal alegou que em liberdade o prefeito poderia obstruir a investigação.

Moreno, de 51 anos, que antes de ser prefeito foi senador, pode ser condenado a até 15 anos de prisão, de acordo com as leis colombianas.

Pelo mesmo caso, o irmão do prefeito afastado, o ex-senador do Polo Democrático Iván Moreno, está detido.

(Por Luis Jaime Acosta)

Mais conteúdo sobre:
COLOMBIAPRISAOPREFEITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.