Juiz italiano manda prender integrantes da 'Operação Condor'

Ex-presidentes da Argentina e Uruguai estão na lista; 140 latino-americanos são acusados de mortes e seqüestros

Agências internacionais,

25 de dezembro de 2007 | 11h28

Um juiz italiano emitiu mandados de prisão para 140 latino-americanos, entre os quais estão 13 brasileiros, suspeitos de envolvimento na perseguição coordenada a dissidentes no período das ditaduras militares do sul da região, na década de 1970. O Itamaraty afirmou que ainda não recebeu a comunicação oficial do pedido de prisão dos brasileiros. Os pedidos de prisão envolvem cidadãos argentinos, bolivianos, brasileiros, chilenos, paraguaios e peruanos, suspeitos de terem sido cúmplices nas mortes de 25 cidadãos italianos assassinados pelas ditaduras militares da América Latina.   Quase todos os integrantes da lista de pedidos de prisão, realizados na segunda-feira, vivem atualmente na América Latina. Alguns deles já estão sob custódia policial, como parte das investigações relativas à conspiração conhecida como "Operação Condor". De acordo com a lei italiana, os magistrados podem investigar os assassinatos de cidadãos italianos cometidos no exterior. Não ficou claro se o processo contra os integrantes da lista que vivem fora da Itália é simbólica ou se o juiz tentaria obter sua extradição.   Segundo a agência de notícias Efe, a lista incluía 146 nomes, das quais seis já morreram - entre elas o ex-presidente chileno Augusto Pinochet. A lista inclui 61 cidadãos da Argentina, 32 do Uruguai, 22 do Chile, 13 do Brasil, sete da Bolívia, sete do Paraguai e quatro do Peru.   No Brasil, qualquer pedido dessa natureza tem que chegar por intermédio do Ministério das Relações Exteriores (MRE). Depois é encaminhado ao Ministério da Justiça, que analisa caso a caso. Mas o Itamaraty lembra que a Constituição veta a extradição de brasileiros para serem processados em outros países.   Segundo a BBC, também estão na lista o ex-presidente da Argentina Jorge Rafael Videla, o ex-almirante argentino Emilio Eduardo Massera e o ex-presidente uruguaio Juan María Bordaberry. O uruguaio Nestor Jorge Fernandez Troccoli, de 60 anos, foi preso na cidade de Salermo, no sul da Itália. Troccoli morava na cidade há anos. Ele será transferido para Roma, onde tem audiência marcada para este mês, segundo a Efe. Os 140 listados enfrentam acusações desde crimes pequenos a assassinatos múltiplos e seqüestros.   Sob a Operação Condor, seis governos da América do Sul colaboraram desde os anos 70 para perseguir opositores esquerdistas. A investigação foi feita a partir de denúncias de familiares de desaparecidos que tinham origens italianas.   (Com Lisandra Paraguassú, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
Operação CondorItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.