Juízes bolivianos dizem que nova Constituição é ilegal

Em sinal da crescente oposição contra opresidente Evo Morales, juízes bolivianos afirmaram que a novaConstituição proposta pelo líder é ilegal e precisa serreescrita a fim de evitar o agravamento da crise política nopaís. A opinião dos juízes, divulgada na noite de quarta-feira,aumenta ainda mais a pressão sobre o tribunal constitucional,que tem a palavra final a respeito da nova Carta. A declaraçãodos juízes foi o mais recente sinal de que Morales não contacom o apoio necessário para concretizar suas reformas. Morales, o primeiro presidente indígena da Bolívia, diz quea nova Constituição vai ajudar a compensar os séculos dedominação da elite branca. Mas o esquerdista vem enfrentandocada vez mais resistência por parte dos governadores dasprovíncias mais ricas do país. "Restabeleça e reinicie o processo de reformaconstitucional ... para garantir a paz social e a inclusão detodos os bolivianos", disse a carta assinada pelos presidentesdas cortes superiores provinciais, da corte agrícola nacional eda Suprema Corte. A Bolívia vem vivendo um impasse político por causa daConstituinte. Quatro dos nove governadores do país decretaramautonomia unilateral em dezembro para protestar contra aproposta de Constituição, que ainda precisa ser aprovada emreferendo. Uma quinta província, Chuquisaca, já se movimenta paradeclarar autonomia. Os governadores das províncias rebeldes, que produzempetróleo e gás natural, temem que Morales corte suas receitasadvindas da exportação e execute uma reforma agrária queprejudique o plantio de soja. Para os juízes, a nova Constituição é "ilegal e ilegítima"porque foi aprovada sem a participação da oposição -- que aboicotou -- e sem a aprovação da maioria de dois terços daassembléia. De acordo com eles, o documento ainda contém furoslegais e incoerências. "O projeto já nasceu morto em termoslegais", disseram eles. (Reportagem de Armando Perez Fernandez e Terry Wade)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.