Julgamento de Fujimori entra na reta final no Peru

O julgamento do ex-presidente peruanoAlberto Fujimori, por abusos aos direitos humanos, entrou naquarta-feira em sua fase final, com o depoimento da últimatestemunha. Foram 90 audiências desde dezembro, com 82 testemunhasconvocadas pelos promotores e pelos advogados das vítimas e doex-presidente, de 70 anos. Fujimori é suspeito pela morte de 25 pessoas, inclusive umacriança, numa chacina realizada por esquadrões da morte criadospor agentes das forças de segurança para perseguirguerrilheiros. A promotoria pede 30 anos de prisão para oex-presidente. Mas analistas dizem que uma pena elevada poderia complicaro presidente Alan García, ele próprio acusado de violações adireitos humanos durante o seu primeiro mandato (1985-90). "Fica claro a esta altura que já não é necessário esperaruma sentença; Fujimori deu aval aos crimes do [esquadrãoparamilitar] Grupo Colina", disse à Reuters Salomón Lerner, quepresidiu uma comissão oficial que investigou a violênciapolítica no Peru. Fujimori foi presidente entre 1990 e 2000, quando, acuadopor diversos escândalos, fugiu para o Japão, onde viveuprotegido pela cidadania herdada dos pais. Cinco anos depois,viajou repentinamente ao Chile, onde foi detido e afinalextraditado, em setembro de 2007. O último depoimento do processo foi do ex-assessor doserviço de inteligência Rafael Merino. Ainda deve haver aapresentação dos trabalhos de dois peritos locais e umnorte-americano, especialista em documentos liberados pelogoverno dos EUA, segundo fontes judiciais e uma entidadeobservadora. Em seguida deve ocorrer a apresentação de documentos,gravações de áudio e vídeos relevantes, junto com as alegaçõesfinais da defesa e da acusação. "Na última diligência, o tribunal pedirá a palavra deFujimori. É difícil falar de prazos, mas a sentença se esperapara novembro. A sala ditará medidas para evitar qualquerdilação do processo", disse uma fonte judicial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.