Justiça da Venezuela condena alta executiva bancária a seis anos de prisão

Beatriz Rodeiro Alvarez é a primeira sentenciada de bancos desapropriados pelo governo

Associated Press,

22 de junho de 2010 | 20h26

CARACAS- Um alta executiva de um dos bancos nos quais o governo da Venezuela interveio foi condenada a seis anos e dez meses de prisão pelos delitos de apropriação de fundos e legitimação de capitais, entre outros, convertendo-se na primeira diretora bancária sentenciada no caso, informaram fontes judiciais nesta terça-feira, 22.

 

A condenação contra Beatriz Rodeiro Alvarez, tesoureira do InverUnión, inclui crimes como associação para delinquir e apropriação de fundos desta instituição e da entidade Mi Casa, de acordo com um comunicado da Procuradoria Geral.

 

Também pelo processo de intervenção, permanecem presos à espera de uma sentença outras doze pessoas, entre eles Arné Chacón, irmão do ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Jesse Chacón, e Antonio Márquez, ex-presidente do organismo regulador do mercado de capitais.

 

Arné Chacón, presidente do Baninvest, foi preso em novembro passado após a intervenção do governo na instituição financeira. A prisão do diretor desencadeou a renúncia de seu irmão do Ministério de Ciência e Tecnologia.

 

InverUnión e Mi Casa, que pertenciam ao banqueiro Gonzalo Tirado, foram desapropriados pelo governo em janeiro junto ao Banco Del Sol e o Banco de Desenvolvimento.

 

Além dessas três instituições, o governo assumiu no período entre novembro passado e este mês o controle dos bancos Federal, Canarias, Confederado, Bolívar, ProVivienda (BanPro), Central, Real, Baninvest e BanNorte, com a justificativa de que as entidades não cumpriam as normas bancárias e apresentavam sérias dificuldades financeiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.